Cassilândia, Sábado, 07 de Dezembro de 2019

Últimas Notícias

28/11/2019 16:00

Carne bovina puxa inflação na Capital que fecha em 0,26% no mês de outubro

Campo Grande News

O churrasco do fim de semana e até mesmo a "mistura" do dia a dia está comprometida com alta da carne bovina, que já subiu mais de 30% nas últimas semanas na Capital. Com esta majoração, o alimento foi o grande vilão da inflação no mês de outubro em Campo Grande. Depois de apresentar duas deflações seguidas (agosto e setembro), a inflação da Capital fechou a 0,26%.

O levantamento é do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Uniderp) que mostra que a taxa do IPC/CG (Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande) é a mais baixa para o mês de outubro desde o ano de 2006, quando ficou em -0,08%.

De acordo com o coordenador do Nepes da Uniderp, Celso Correia de Souza, o preço da carne foi o elemento-chave para o resultado. “Essa baixa inflação, precedida por duas deflações, deu um alívio financeiro aos consumidores, principalmente, para aquele que prioriza a cesta básica em suas compras, ou seja, o consumidor de menor renda. Mas os preços da carne bovina não ajudaram muito”, contextualizou.

Além do grupo Alimentação, Transportes e Vestuário também pesaram na retomada do aumento da inflação. “Por outro lado, a Habitação contribuiu para aliviar a alta do índice. Neste grupo houve a queda no preço da energia elétrica devido à troca da bandeira, que era vermelha patamar 1 em setembro, para amarela, reduzindo o preço do serviço em torno de 3,19%”, explicou.

Nos dez primeiros meses de 2019, o acumulado atinge 2,58%. Levando em consideração os últimos doze meses, a taxa está em 2,62%, ainda abaixo da meta inflacionária do Conselho Monetário Nacional (CNM) para o Brasil no ano de 2019, cujo centro da meta da inflação para o ano é de 4,25%.

Segmentos - O grupo habitação, que possui o maior peso de contribuição para o cálculo do índice mensal, apresentou pequena deflação de -0,24%. Os principais aumentos no grupo são: esponja de aço (4,03%), fósforos (2,95%) e lâmpada (2,44%). Quedas de preços ocorreram na oferta de energia elétrica (-3,19%), lustra móveis (-1,43%), vela (-1,15%), entre outros.

Diferente do que ocorreu em setembro, o índice de preços do grupo alimentação apresentou elevação de 0,74%, puxado pelos aumentos nos preços da carne bovina. Dos quinze cortes pesquisados pelo Nepes/Uniderp, 13 tiveram aumentos de preços e dois, redução. “A tendência é o aumento de preços da carne, pois, estamos saindo da entressafra do boi gordo, com reduzido número de animais para o abate e a aproximação das festas de final de ano aumenta muito o consumo. Há, ainda, a influência da exportação do produto, que deve encerrar 2019 com aumento de 10% em relação ao ano anterior”, esclarece Celso.

As majorações de preços ocorreram com: costela (10,23%), contrafilé (9,59%), paleta (6,61%), acém (5,15%), coxão mole (5,5%), picanha (3,34%), lagarto (2,34%), alcatra (2,31%), vísceras de boi (2,13%), peito (1,99%), cupim (1,51%), filé mignon (1,48%), e músculo (0,48%). Quedas de valor foram constatadas com fígado (-2,25%) e patinho (-0,26%). Quanto aos cortes de carne suína, os três cortes pesquisados tiveram reduções de preços: pernil (-3,57%), costeleta (-2,53%) e bisteca (-2,20%). Frango resfriado teve aumento de 2,02% e os miúdos de frango queda de (-1,36%).

Além da carne, o grupo Alimentação registrou outros produtos com altas significativas. Os principais são: limão (50,51%), pimentão (15,95%), maracujá (14,93%), entre outros. Já os destaques em queda de preços foram: cebola (-33,40%), cenoura (-26,94%), beterraba (-25,98%), entre outros.

O grupo Transportes fechou outubro com índice de 0,86%, devido altas de preços com diesel (3,44%), etanol (1,22%) e gasolina (0,71%). Queda de preço ocorreu com automóvel novo, (-0,97%).

Já a Educação registrou queda de -0,01% devido quedas de preços em artigos de papelaria. Os grupos Despesas Pessoais e Saúde registaram uma leve alta, com índices de 0,31% e 0,05%, respectivamente. Entre os produtos com elevação de valor do primeiro grupo estão: protetor solar (3,33%), creme dental (1,94%), sabonete (1,59%). Já no segundo grupo, os destaques de aumentos são: material para curativo (1,71%) e e parasiticida (0,18%).

Encerrando o levantamento, o grupo Vestuário ficou com inflação de 0,34%. As principais altas foram constatadas com: sapato masculino (4,60%), lingerie (3,95%), short e bermuda masculina (3,74%), entre outros.

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 07 de Dezembro de 2019
Sexta, 06 de Dezembro de 2019
09:00
Santo do Dia
Quinta, 05 de Dezembro de 2019
16:00
Direitos da pessoa com deficiência
10:00
Receita do Dia
09:00
Santo do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)