Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

16/02/2012 15:35

Capital está preparada oara surto de dengue tipo 4

Campo Grande News/ Paula Vitorino

A saúde pública de Campo Grande está preparada em caso de novo surto de dengue, mas dessa vez do tipo 4. A afirmação foi feita hoje pelo secretário de saúde, Leandro Mazina, alegando que “já passamos por epidemias anteriores e conseguimos enfrentar”.

Ele se refere ao surto de dengue que a Capital enfrentou no início de 2010. “Demos conta da outra vez, porque não daríamos agora?”, justifica. Na época, cerca de 41 mil casos foram notificados e pelo menos 22 pessoas morreram só em Campo Grande.

O secretário garante que ainda não existe casos de dengue tipo 4 na Capital e por isso não existe previsão de surto por enquanto, mas que a secretaria trabalha em situação de alerta.

“Os números de dengue nesse ano estão relativamente baixos, mas existe a preocupação da entrada do tipo 4”, diz.

Apesar da ponderação da secretaria municipal, a titular da SES (Secretaria Estadual de Saúde), Beatriz Dobashiquatro, afirmou na semana passada que o tipo 4 está próximo e que “se entrar aqui e nós tivermos com o índice alto de infestação do Aedes aegypti vai ter uma epidemia muito grande e os serviços de saúde não vão dar conta”.

O tipo quatro da doença foi registrado em todos os estados que fazem divisa com Mato Grosso do Sul (Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Paraná), além da Bolívia, país vizinho. Por isso, Beatriz destacou que Mato Grosso do Sul está ‘cercado’.

Contágio - Mazina explica que o tipo 4 não mais forte ou perigoso que os outros tipos de dengue, mas que o risco de surto é maior por se tratar de um vírus novo, ou seja, a população não tem o organismo imune.

“Os risco de transmissão é maior, já que ninguém pegou esse tipo ainda e o sistema não está imune, o que já não acontece mais com os tipos 1 e 2, por exemplo”, frisa.

O alerta também é devido a dengue ser tratada como uma doença que acontece em ciclos, que apresenta picos de surto e de diminuição nos casos. “O último surto aconteceu em 2010, depois os casos foram diminuindo, mas existe a possibilidade da doença voltar de forma intensa novamente com o novo tipo”, diz.

Sobre as ações de prevenção, o secretário lembra que desde o surto enfrentado pela Capital foram desenvolvidas ações permanentes de prevenção e combate a dengue.

“Temos reuniões constantes do comitê de combate a dengue e a parceria com o Exército nas ações de eliminação do mosquito, por exemplo. São ações que antes não tínhamos, mas que iniciamos após o surto e mantivemos”, frisa.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)