Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

14/08/2015 17:00

Capital é a 4ª cidade do país em número de casos de leishmaniose em humanos

Campo Grande News

Com 55 registros de janeiro até agora, Campo Grande está entre as quatro cidades do país com maior número de casos de leishmaniose em humanos. O índice considerado preocupante foi revelado na palestra do doutor em ciência animal, Francisco Anilton Araújo realizada na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) durante a Semana Nacional de Combate a Leishmaniose Visceral.

O doutor lembrou que e doença é transmitida através do “mosquito palha”, é grave, não tem cura (apenas controle por medicamentos), e algumas vezes causa a morte. Aproximadamente 10 por cento das pessoas que adoecem, morrem vitimas de comprometimento causado pelo protozoário.

“Existem formas de prevenção, especialmente para os cães, através da vacina. O único lugar do País que dá a preferência ao tratamento e não a eutanásia é Campo Grande. E essa é uma responsabilidade também do veterinário e do tutor do animal, para que cheguem a esse consenso”, disse .

Francisco lembra ainda que no Brasil, se tem hoje cerca de 3.500 casos da doença em humanos, quase 400 pessoas morrem por ano de leishmaniose. Nesta semana, houve um registro de aparecimento da leishmaniose em humano na região sul da Capital. Com 55 casos registrados, Campo Grande fica atrás apenas das cidades de Fortaleza (CE), Araguaína (TO) e Belo Horizonte (MG).

Tratamento polémico - Polémicas a parte quanto ao tratamento da leishmaniose, o professor doutor Francisco Anilton Alves de Araújo, que trabalhou por 26 anos como consultor da área no Ministério da Saúde, e é totalmente a favor. E ele ainda deixa claro que a eficácia da vacinação é reconhecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e, também, pelo Ministério da Saúde.

“ Para quem é apaixonado pelo seu cão de estimação, parece que esse doença não representa mais o fim. O animal tratado pode ter uma vida normal, claro que sempre sob a supervisão do médico veterinário. É a esperança do fim da eutanásia animal, no caso dessa doença”, comentou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)