Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

26/04/2012 17:16

Capitais brasileiras não têm calçadas transitáveis

Agência Brasil/Flávia Albuquerque

Nenhuma das 102 ruas de alta circulação de pedestres em 12 capitais brasileiras analisada em um estudo, divulgado hoje (26) pelo portal Mobilize Brasil, tem uma situação das calçadas considerada satisfatória. O resultado está no levantamento Calçadas do Brasil, feito com o objetivo de chamar a atenção da sociedade e autoridades para a necessidade de se cuidar das áreas destinadas aos pedestres e, assim, garantir a mobilidade urbana a todos os cidadãos.

As cidades analisadas foram São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Goiânia, Brasília, Salvador, Fortaleza, Natal, Recife e Manaus. O levantamento começou a ser feito em fevereiro e é a primeira ação de uma campanha para convocar as pessoas a denunciarem a má conservação das calçadas.

Uma das ferramentas da campanha é o site www.mobilize.org.br, que possui um espaço para que qualquer cidadão avalie as calçadas de sua cidade, inclusive com fotografias. A ideia é reunir o maior número de avaliações e criar um mapa que será entregue ao Ministério Público. “ Vamos montar esse mapa, fazer algumas caminhadas, preparar um documento e encaminhar às autoridades pedindo resposta e ações com relação a esse assunto”, disse o coordenador do levantamento, Marcos de Souza.

Em todas as vias foram encontrados problemas como buracos, imperfeições do pavimento, remendos feitos depois de serviços de concessionárias, faltas de rampa de acessibilidade, degraus e obstáculos que impedem a passagem. Os locais foram indicados por colaboradores que fotografaram a calçada e deram notas para os itens irregularidades no piso, largura, degraus e obstáculos, rampas, iluminação e sinalização, além do paisagismo.
“Quando falamos em paisagismo, falamos de proteção ambiental, ter sombra, criar condições para que as pessoas circulem de maneira agradável. Pode-se ter uma calçada perfeitamente lisa e nivelada, o que já seria muito bom, mas se a calçada também tiver uma proteção contra o sol, a caminhada será feita com muito mais tranquilidade”, explicou.

Em São Paulo, a calçada da Avenida Paulista foi eleita como um exemplo acessível e seguro, mesmo com algumas partes quebradas, que na avaliação dos colaboradores não atrapalham a mobilidade, devido à largura da calçada. Os problemas mais citados são falta de manutenção e de um projeto integrado de paisagismo, que deixa trechos sem árvores expondo o pedestre ao sol, além da falta de bancos.

No outro extremo aparece o Largo 13 de Maio, também em São Paulo, com destaque para calçadas abarrotadas de lixo, desníveis, buracos, degraus e pouco espaço para o trânsito, o que obriga as pessoas a andarem na rua.
De acordo com o levantamento, onde há calçadões é mais fácil andar e há rampas de acessibilidade, mas em outros locais faltam estes acessos ou eles estão mal conservados. Também como exemplo negativo foi citada a Praça Pedro Aleixo, no bairro de São Miguel Paulista, que tem a calçada perfeita, mas que possui o entorno em péssimo estado, com obstáculos, faixa sem rampa e má conservação.

O levantamento destaca ainda as calçadas no entorno da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, que são mal conservadas, cheias de camelôs que impedem a circulação dos pedestres. Em Salvador, o Largo da Calçada foi citado como ocupado por camelôs e tendo piso irregular, desnivelado, sem rampas e nem sinalização.

Em Belo Horizonte, chama-se atenção para a Pampulha, que tem no seu entorno acesso ruim para portadores de necessidades especiais, irregularidades no piso e iluminação inadequada. Na Avenida Sete de Setembro, em Manaus, as calçadas também são estreitas e ocupadas por vendedores. Em um dos principais pontos turísticos de Natal, a Praia da Ponta Negra, as calçadas em mosaico de pedras estão mal conservadas e em vários trechos há obras de manutenção.

“As calçadas são o instrumento básico de mobilidade em qualquer cidade. Elas são feitas primordialmente para que possamos viver nelas. O ideal é que se possa sair e caminhar sem pensar na calçada”. Souza destacou que é preciso prestar atenção na situação das calçadas porque são comuns acidentes, alguns inclusive com gravidade.

Edição: Fábio Massalli

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)