Cassilândia, Domingo, 20 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

29/10/2003 13:48

Canuto admite acordo com o FMI para reduzir pressão

Daniel Lima/ABr

O secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Otaviano Canuto, disse hoje, em Brasília, que um eventual acordo com o FMI (Fundo Monetário Internacional) seria, simplesmente, com o objetivo de criar uma “descompressão” - segundo o dicionário "Aurélio" a palavra quer dizer reduzir a pressão - até o período pós-Fundo. “A possibilidade de assinar um novo acordo decorre apenas daquilo que foi sinalizado pelos mercados e por nós".

Segundo o secretário, é importante notar que o governo vem trabalhando gradualmente com o objetivo de manter um “colchão” (reservas internacionais) para o caso de uma turbulência no mercado financeiro no ano que vem. A principal preocupação seria, a rigor, sobre o desequilíbrio entre as principais economias dos países desenvolvidos.

Esses problemas, porém, estão sendo reduzidos a cada dia que passa, na ótica de Otaviano Canuto. “Os cenários da economia americana são sustentados e, de certa forma, o dólar tem se ajustado em relação as outras moedas, de forma gradual, o quê tende a fazer com que o desequilíbrio em conta corrente norte-americana deixe de ser tão preocupante como é hoje. Até no plano internacional, estamos cheios de boas notíciais”.

O secretário também descartou qualquer tipo de pressão por parte dos Estados Unidos por conta de um novo empréstimo com o FMI, já que existem divergências entre os dois países decorrentes da criação da Alca – Área de Livre Comércio das Américas. Canuto lembrou, no entanto, que, em alguns casos, os americanos têm o poder de veto, sim, já que são necessários 85% dos votos para a aprovação de um acordo e os EUA têm acima de 15% dos votos.

“Se a opinião do governo norte-americano for contra qualquer acordo do Fundo, com qualquer país, inevitavelmente é um fato. Mas, em nenhum momento, há entre as conversas do Brasil e o FMI associação entre isso (novo acordo) e qualquer outro tema (Alca)”, garantiu Canuto.

O secretário não quis confirmar quanto, em dinheiro, poderia ser liberado pelo Fundo num eventual acordo, se US$ 10 bilhões ou US$ 20 bilhões. “Vocês ouviram alguém do governo falando isso, hein ? Não ouviram, então pronto! Por enquanto é: se fala...”, disse o secretário. Ele fez questão de afirmar, contudo, que o país está tranqüilo quanto ao fluxo do balanço de pagamento e do ponto de vista fiscal no ano que vem. “Mas não isso que vai definir a necessidade ou o interesse de um novo acordo”, concluiu ele.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Setembro de 2020
Sábado, 19 de Setembro de 2020
Sexta, 18 de Setembro de 2020
11:00
Corrida/Nutrição/Fitness
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)