Cassilândia, Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

06/11/2017 09:20

Canadá se prepara para legalizar uso recreativo da maconha em 2018

Midiamax

O Canadá se prepara para tornar realidade uma das mais controversas promessas de campanha do primeiro-ministro Justin Trudeau, e legalizar em julho de 2018 o consumo recreativo de maconha, o que tornaria o Canadá o maior país industrializado onde a maconha é totalmente legal.

O projeto de lei segue no Parlamento canadense, com o objeito de que em julho a legislação tenha sido aprovada e esteja sendo implementada.

A Câmara canadense está estudando a proposta do governo de Trudeau e é esperado que os deputados aprovem o projeto de lei C-45, como é conhecido, sem maiores problemas, já que o Partido Liberal do primeiro-ministro tem a maioria do deputados.

Porém, os planos de Trudeau podem encontrar problemas quando o projeto chegar ao Senado, no fim de 2017. Vários senadores já expressaram suas dúvidas de que o Senado sinta a mesma obrigação que a maioria dos deputados para aprovar em julho, como quer Trudeau.

O senador independente André Pratte declarou na semana passada que a data de julho de 2018 é um "limite político" que os senadores estão se obrigando a cumprir. Um possível bloqueio ou um possível atraso do projeto lei C-45 pode ser fruto de outra promessa feita por Trudeau em sua campanha: que os senadores liberais seriam independentes de seu partido.

Desde que Trudeau chegou ao poder no final de 2015, os senadores estavam submetidos aos partidos, Liberal ou Conservador. Mas Trudeau liberou os senadores do Partido Liberal em prol de uma democratização do Senado.

No Canadá, os senadores não são eleitos por voto popular. Eles são designados pelo primeiro-ministro no poder.

Sendo assim, com sua recém-adquirida liberdade de ação e voto, os senadores podem bloquear a aprovação de uma proposta controversa de lei sem que Trudeau, seu governo ou o Partido Liberal possam fazer muito para impedir.

Por enquanto, senadores como Pratter não indicaram que bloqueariam o projeto de lei elaborado na Câmara, apenas que levarão o tempo que seja necessários para fazer emendas que considerem imprescindíveis.

"O que devemos levar em consideração é que devemos fazer nosso trabalho de maneira séria, e isso que vamos fazer", explicou Pratte.

Uso medicinal já é legal

O possível atraso na legalização do consumo recreativo de maconha pode causar vários problemas. Cidades como Toronto já estão sofrendo com os paradoxos que causam a proibição de hoje e a legalização de amanhã.

Há meses, apareceram pela cidade dezenas de estabelecimentos que vendem maconha, pensando no dia em que será totalmente legal o cultivo, a posse e o consumo de cannabis.

Ainda que suas atividades se limitem a venda de maconha para usos medicinais, que é legal há anos no país, é certo que muitos destes estabelecimentos também vendem maconha a outros compradores.

Depois de meses de falta de fiscalização, Toronto começou a fechar dezenas de estabelecimentos do tipo. Ou menos, limitar suas atividades até que o projeto de lei C-45 tenha sido aprovados pelo Parlamento canadense.

Potencial econômico

A pressa dos empreendedores para chegar ao mercado é compreensível, dada a magnitude econômica do negócio.

Segundo a empresa Deloitte, o mercado de cannabis representará um segmento de 23 milhões de dólares canadenses (US$ 18,4 milhões) quando for legal. Além disso, as empresas canadenses podem se tornar líderes do setor em nível mundial, como por exemplo no desenvolvimento de tecnologias do cultivo legal.

No Canadá, alguns meios de comunicação estão comparando a situação com a "febre do ouro", que aconteceu na América do Norte no século XIX, quando foram descobertas minas de ouro na Califórnia.

Dezenas de milhares de pessoas, de todo o mundo, se apressaram em viajar para a Califórnia em busca de ouro e de fortunas rápidas e fáceis.

Como na época, centenas de indivíduos e empresas no Canadá estão se apressando para estar na melhor forma possível para quando for dada a largada na venda de maconha.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 17 de Novembro de 2017
10:28
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Quinta, 16 de Novembro de 2017
11:00
Mundo Fitness
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)