Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

05/09/2016 12:39

Campanha eleitoral não empolga e frustra indústria gráfica de MS

Daniel Pedra/Fiems

As previsões pessimistas das indústrias gráficas de Mato Grosso do Sul em relação à campanha eleitoral deste ano se confirmaram e o segmento registra somente 27% do faturamento obtido no pleito de quatro anos atrás, conforme análise do Radar Industrial da Fiems com base em dados repassados pelo Sindigraf/MS (Sindicato das Indústrias Gráficas de Mato Grosso do Sul) e Abigraf/MS (Associação Brasileira da Indústria Gráfica no Estado).

Na campanha eleitoral para prefeito e vereadores em 2012, as 240 indústrias gráficas em operação no Estado tiveram um faturamento médio de R$ 17,02 milhões, enquanto no pleito deste ano esse montante ficou em R$ 4.657.500, ou seja, queda de 73% no faturamento das empresas no comparativo entre as duas campanhas (2012 x 2016).

Além disso, apesar de passados quatro anos e com o aumento da maioria da matéria-prima, a crise obrigou as gráficas a reduzirem os preços médios cobrados pelos produtos em até 37,5% e, mesmo assim, foi registrada uma redução de 56% na quantidade produzida de santinhos, praguinhas, banners e adesivos, considerados os principais produtos eleitorais.

Análise

Para o presidente do Sindigraf/MS e Abigraf/MS, Julião Flaves Gaúna, esse balde de água fria jogado sobre os empresários do segmento pode ser debitado à mudança na legislação eleitoral, que reduziu o prazo e as verbas da campanha deste ano. “A redução das verbas para as campanhas em um momento já complicado para a economia refletiu em cheio sobre o segmento. Nesse cenário é que estamos inseridos e, portanto, se confirmou o recuo do nosso faturamento”, afirmou.

Julião Gaúna recorda que, nas campanhas passadas, as gráficas vendiam um pacote, que incluía bandeiras, bonés, camisetas, folders, santinhos, praguinhas, adesivos e cavaletes. “Hoje, só podemos oferecer os santinhos, praguinhas e adesivos, ou seja, quase nada é permitido mais pela Justiça Eleitoral. Além disso, antes tínhamos 90 dias de campanha e hoje são só 45 dias”, analisou, completando que as mídias sociais (Facebook, Instagram, WhatsApp e Twitter) ajudaram a atrapalhar ainda mais o faturamento das gráficas.

No caso de Campo Grande, ele declara que os empresários estão confiantes em um 2º turno para amenizar um pouco as perdas. “Como a campanha eleitoral é mais curta do que a anterior, na Capital ainda temos a esperança de 2º turno, o que pode refletir em uma expansão na produção de material gráfico com essa prorrogação do pleito”, observou.

Legislação

A mudança nas regras dos gastos eleitorais definida pela Resolução nº 23.457/2015 do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) limitou os recursos da campanha atual em 70% do que foi utilizado no pleito anterior, em 2012. Além disso, o tempo de campanha também foi reduzido de 90 para 45 dias, começando dia 16 de agosto e terminando no dia 29 de setembro.

Dentre as práticas proibidas para o período estão a distribuição de camisetas, chaveiros, bonés, canetas e brindes. A vedação vale, ainda, para quaisquer outros bens que possam proporcionar alguma vantagem ao eleitor.

O candidato que extrapolar os limites determinados pelo TSE pode ser obrigado a pagar multa de 100% do valor excedido e, além disso, o político pode ser alvo de representação pelo MP (Ministério Público) por abuso de poder econômico.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)