Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

14/05/2005 09:23

Câmara lembra a Lei Áurea com celebração e protesto

Agência Câmara

A celebração do fim da escravatura e o protesto contra o racismo e as condições atuais da população negra dividiram a sessão solene da Câmara ontem, em homenagem aos 117 anos da Lei Áurea, assinada em 13 de maio 1888. Estiveram presentes parlamentares da Frente em Defesa da Igualdade Racial e representantes dos movimentos negros, como o reitor da Universidade Cidadania Zumbi dos Palmares, José Vicente; o secretário-executivo da Comissão Brasileira de Justiça e Paz, Carlos Moura; e a diretora do Movimento Dança Brasil, Rosilene Maria Rosa.
A sessão foi presidida pelo deputado Wilson Santiago (PMDB-PB), que na abertura leu discurso do presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, lembrando que o Brasil foi o último país das Américas a abolir a escravidão. Segundo ele, a Lei Áurea representou a primeira etapa de liquidação de "uma dívida histórica quase impagável". "O negro merece o reconhecimento cabal da condição de cidadão brasileiro completo, muito além das retóricas vazias", afirmou.
Em sua visão, celebrar a Abolição representa uma forma de lutar contra o esquecimento da escravidão. "Para o Brasil se redimir desse holocausto negro com milhões de vítimas, a condição prévia é evocá-lo", reforçou.

Cobrança
Autor do requerimento para a sessão, o deputado Reginaldo Germano (PP-BA) concordou que a data deve ser lembrada, mas observou que a população negra no Brasil ainda não tem o que festejar. "Não é dia de festa, mas de cobrança", frisou. A escravidão acabou há 117 anos, "mas os negros no Brasil ainda enfrentam problemas como desemprego, subemprego e trabalhos de menor remuneração", ressaltou.
Ele apontou estatísticas indicando que quase metade da população vive sem condições dignas de vida. "O País ainda hoje escraviza seus cidadãos", reforçou. A Lei Áurea, em sua avaliação, acabou com a escravidão, mas não apontou nenhuma solução para os negros. "Os libertos foram entregues à própria sorte. Em vez de o Estado pagar indenizações aos escravos libertos, quem recebeu dinheiro foram os senhores", acentuou.
O deputado criticou ainda a atuação da mídia no Brasil, sobretudo da televisão, que contribui, a seu ver, para camuflar as dificuldades enfrentadas pelos negros.

Cidadania
Todos os demais deputados que se pronunciaram na sessão solene destacaram a necessidade de políticas públicas para promover a cidadania dos negros no Brasil. A deputada Ana Alencar (TO), que falou em nome do PSDB, reforçou a dívida do Estado brasileiro em relação aos cidadãos negros, sobretudo para as áreas de saúde, educação, habitação e direitos humanos.
Já a deputada Maninha (DF), pela liderança do PT, ponderou que a situação não é conseqüência do governo petista, mas um problema histórico "que se arrasta desde a Abolição".
Para o deputado Marcondes Gadelha (PB), que se pronunciou pela liderança do PTB, o espírito da Lei Áurea "encerrou definitivamente uma história de relações sociais hediondas, que permitia o tratamento de seres humanos como animais" e promoveu a democracia racial. Representando o PDT, o deputado Alceu Collares (RS), retrucou que "afirmar a existência de democracia racial no Brasil é uma vergonha". "O racismo e o preconceito continuam", alertou, pedindo a construção de uma democracia para todos.
Os deputados Elimar Máximo Dasmasceno (Prona-SP) e Humberto Michilles (PL-AM) criticaram o trabalho escravo. "Não há justificativa moral para as várias formas de trabalho escravo no Brasil, abertas ou disfarçadas, que submetem 25 mil trabalhadores a uma vida indigna e vergonhosa", declarou Damasceno. Já o deputado Jovino Cândido (PV-SP) denunciou a existência de "senzalas modernas", que, em sua opinião, ainda impõem a segregação, a intolerância e o racismo, inclusive no esporte.



Reportagem - Antonio Barros
Edição - Francisco Brandão


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)