Cassilândia, Quinta-feira, 23 de Maio de 2019

Últimas Notícias

13/05/2019 12:00

Câmara Criminal mantém condenação por violência doméstica e injúria

TJMS

Os desembargadores da 1ª Câmara Criminal, por unanimidade, negaram provimento ao recurso de V.B. de O. diante do pedido de reforma da sentença que o condenou à pena de 1 ano e 9 meses de reclusão e 113 dias-multa, e 8 meses e 5 dias de detenção, em regime semiaberto, pelos crimes de lesão corporal no âmbito doméstico e injuria racial.

Extrai-se dos autos que no dia 13 de maio de 2017, por volta das 20 horas, numa residência na cidade de Japorã, no âmbito das relações domésticas, o apelante ofendeu a integridade corporal da vítima M.S. de O., sua companheira, causando lesões corporais aparentes. Além da agressão, a injuriou denegrindo a sua raça e cor.

Consta também nos autos que o acusado estava na sua residência com a vítima conversando e ingerindo bebidas alcoólicas e, após discutirem, ele agrediu verbalmente a vítima. Pegou ainda um pedaço de bambu e desferiu golpes contra a vítima, atingindo-a na altura da coxa e em seu braço esquerdo, causando graves lesões. O apelante foi preso pelos Policiais Militares na posse de uma faca de 20 cm.

V.B. de O. foi julgado em primeira instância e condenado pelo crime de violência contra mulher e injuria racial, conforme os artigos 129, § 9º, e 140, § 3º, ambos do Código Penal.

Em recurso de apelação, requereu a reforma da sentença pedindo a aplicação da detração (desconto do tempo de prisão provisória ou internação provisória na pena privativa de liberdade) alegando que passou quatro meses internado em tratamento médico voluntário, para tratar da dependência química que o acomete.

O juiz substituto em 2º Grau, Lúcio Raimundo da Silveira, negou provimento ao recurso visto a gravidade do crime ressaltando que a internação voluntária foi realizada antes mesmo da expedição da guia de recolhimento, sendo que não houve decretação de prisão ou de medida de segurança durante a instrução do feito.

“Desta forma, não há como considerar o prazo de internação em clínica de recuperação como pena cumprida, já que não houve qualquer determinação ou autorização judicial para tanto, bem como realizada antes do início do cumprimento da reprimenda, sendo o fato totalmente estranho ao processo criminal a que responde o apelante”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 22 de Maio de 2019
10:00
Receita do Dia
09:21
Cassilândia
Terça, 21 de Maio de 2019
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)