Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

16/05/2005 14:16

Câmara aprova restrição ao uso de agravos

Assessoria Ministério da Justiça

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou na última quinta-feira (12) o projeto de lei 4727/04, que restringe a utilização dos agravos de instrumento. A proposta foi elaborada pela Secretaria de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça e segue agora diretamente para a CCJ do Senado Federal.

O projeto faz parte do pacote de 23 propostas de alteração dos Códigos do processo Civil e Penal e do processo trabalhista apresentados pelo Executivo ao Congresso no final do ano passado, para acelerar a tramitação dos processos. As propostas, que compõem a reforma processual, visam à simplificação dos recursos judiciais e à valorização das decisões de primeira instância, de maneira a coibir a utilização da Justiça com fins meramente protelatórios.

O projeto 4727/04 estabelece que os agravos (recursos de decisões judiciais interpostos no meio do processo) só serão julgados após a sentença final, no momento da apelação, exceto em casos de possível lesão irreparável. Hoje, o agravo pode ser encaminhado ao tribunal após uma decisão do juiz em qualquer momento do processo, o que implica maior morosidade à tramitação.

Execuções - Na semana passada, a CCJ da Câmara dos Deputados também aprovou, por unanimidade, o projeto de lei nº 4497/04, que simplifica o processo de execuções de títulos extrajudiciais. A proposta, elaborada pela Secretaria de Reforma do Judiciário, foi encaminhada ao Congresso no ano passado, antes do pacote da reforma processual e seguiu, agora, para a CCJ do Senado. Ali também está em tramitação o projeto 52/04, que simplifica o processo de execução de títulos judiciais e vai acelerar a tramitação de ações de indenização por danos morais e materiais.

Uma das principais mudanças previstas no projeto 4497/04 é que o devedor não precisará mais fazer o pagamento em juízo para recorrer de uma ação extrajudicial. Os recursos, no entanto, não terão mais efeito suspensivo, ou seja, não impedirão que o credor inicie a execução para reaver seus direitos. Com isso, espera-se que a tramitação de ações como execução de notas promissórias ou conflito sobre contratos de aluguel seja mais rápida.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)