Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

21/05/2008 08:21

Calabresi: testemunhas atestam idoneidade de doméstica

TJGO

As três testemunhas arroladas na ação penal que apura crime de tortura cometido contra a estudante Lucélia Rodrigues Silva, de 12 anos, disseram hoje (20) ao juiz José Carlos Duarte, da 7ª Vara Criminal de Goiânia, que não têm conhecimento de qualquer fato que possa desabonar a conduta da doméstica Vanice Maria Novais, que juntamente com a empresária Sílvia Calabresi, foi acusada do crime.

Primeira a falar, Sandra Maria Leite da Silva Vieira disse que conhece a acusada há cinco anos. Ela relatou que a doméstica chegou a morar em sua casa durante um ano, onde trabalhou como babá de seus filhos. “Ela fazia um bom trabalho, tinha bom relacionamento social e meus filhos nunca reclamaram de nada, inclusive a chamavam de tia”, relatou. Também ex-patroa de Vanice, Kátia Aguiar Maia Xavier informou que já foi vizinha de Sílvia e chegou a conhecer uma garota chamada Hanna, que residia com a empresária. “Lembro-me que Sílvia maltratava Hanna e, em determinada oportunidade, eu e Vanice, que na época trabalhava para ela, a denunciamos ao Conselho Tutelar”, contou.

Ainda de acordo com Kátia, houve outra garota, chamada Vânia, que também foi vítima de maus-tratos por parte de Sílvia. “Eu a ajudei a fugir da cidade, aproveitando uma ocasião em que a empresária havia viajado”, comentou, afirmando que, após deixar de trabalhar para Sílvia, Vanice passou a morar em sua residência e a cuidar de seus filhos, desempenhando bom trabalho. Ela disse que não sabe porque Vanice voltou a morar com Sílvia. Diretora da escola onde o filho caçula de Sílvia estuda, Jeannette Cristina Aller Moreira, por sua vez, disse que conhece Sílvia e Vanice apenas superficialmente.

Além de tortura, a empresária e doméstica são acusadas de maus-tratos e cárcere privado cometidos contra Lucélia, enquanto Marco Antônio Calabresi e Tiago Calabresi, marido e filho da empresária, de omissão a tortura. A mãe biológica da estudante, Joana D´Ar da Silva foi denunciada sob acusação de ter entregue sua filha a Sílvia em troca de dinheiro mas, seguindo decisão do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), José Carlos determinou que os autos sejam encaminhados ao Ministério Público (MP) para que examine a conveniência e oportunidade de propor a suspensão condicional do processo em relação a ela. (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)