Cassilândia, Sábado, 20 de Outubro de 2018

Últimas Notícias

08/10/2007 22:19

Caixa questiona greve de servidores no TST

Isabela Vieira /ABr

Brasília - A greve dos funcionários da Caixa Econômica Federal (CEF) terá sua legalidade discutida na Justiça. Hoje (8), a Caixa entrou com ação de dissídio coletivo, no Tribunal Superior do Trabalho (TST), contra a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Crédito (Contec). Uma audiência de conciliação foi marcada para a tarde de amanhã (9).

O dissídio é um instrumento legal que busca uma conciliação judicial para questões que não foram resolvidas durante as negociações entre a empresa e os funcionários. Nesta noite, representantes da Caixa e dos grevistas estão discutindo novas propostas para encerrar a greve.


De acordo com o TST, a Caixa argumenta que os grevistas não respeitaram as etapas legais que devem anteceder o movimento, como a comunicação prévia, a realização de assembléias e a manutenção de serviços essenciais. A Caixa alega que a greve prejudica as pessoas atendidas com programas do governo, como o Bolsa Família e o seguro-desemprego.


Para o secretário de imprensa do Sindicato dos Bancários de Brasília, Eduardo Araújo, não foram cometidos abusos e a greve foi deflagrada em conformidade com a legislação. “O percentual de 30% de trabalhadores em serviço não é necessário, pois a Caixa não realiza serviços essenciais”, disse.


Em nota divulgada à imprensa, a Caixa informou ter avisado aos funcionários que recorreria ao TST, “buscando, por meio da Justiça, uma solução que conduza ao entendimento e preserve os direitos das partes envolvidas”. E argumentou ter apresentado "a melhor proposta dentro das suas condições de sustentabilidade econômico-financeira”.


No entanto, para os grevistas, a atitude da instituição só "dará mais força" à paralisação. “Com uma greve mais forte poderemos mostrar para a Justiça que a manifestação não é por acaso”, disse Araújo. Ele informou ainda que a audiência de amanhã será uma oportunidade para os trabalhadores provarem a “intransigência” da Caixa: "Tivemos quatro rodadas de negociação e a empresa não apresentou propostas que atendessem às nossas reivindicações”.

Em greve desde quarta-feira (3), a categoria pede um reajuste salarial de 10,3% ou 5,5% de aumento real nos salários, participação nos lucros e resultados (PLR) no valor de dois salários mínimos e uma parcela fixa de R$ 3,5 mil. A Caixa ofereceu adiantamento de 70% da PLR e informou que “mantém a proposta negociada com entidades representativas aprovada pelos funcionários dos demais bancos”.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 20 de Outubro de 2018
Sexta, 19 de Outubro de 2018
09:00
Santo do Dia
04:16
Cassilândia
Quinta, 18 de Outubro de 2018
11:00
Mundo Fitness
09:00
Santo do Dia
Quarta, 17 de Outubro de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)