Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

29/03/2006 15:43

Cacique conta a luta por reaver terras em MS

Janaína Rocha/ABr

Rio Quente (Goiás) – O Mato Grosso do Sul é um dos estados que tem maior população indígena do Brasil, com quase 54 mil indígenas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2000, perdendo para o Amazonas (mais de 113 mil), Bahia (64 mil) e São Paulo (63 mil). Os povos Guarani-Kaiowá, Terena e Kadiwéu predominam no MS, mas há mais três etnias, segundo o auxiliar de enfermagem Hilário da Silva, um kadiwéu. Os Guató, um desses povos, recuperam seu território há cerca de 15 anos. Hoje ficam a 350 quilômetros de Corumbá via Rio Paraguai.

"Éramos um povo extinto. Fui expulso das terras quando tinha 15 anos por causa de um fazendeiro que disse que as terras eram dele. E a gente acreditou", conta Severino Ferreira, que é o cacique guató, com 66 anos de idade.

Severino então foi para Corumbá. "Eu pensava que a gente nem tinha direito, mas um dia a Funai apareceu e convidou a gente para voltar para a terra. A gente se alegrou e voltei a procurar meus parentes." Na ocasião, Severino tinha por volta de 45 anos.

Entre cerca de 30 idas e vindas de Brasília para "brigar com o Exército" e recuperar as terras, Severino conseguiu apoio também do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). "A gente conseguiu a terra, mas não tinha como ir. A Marinha não queria levar. Não tinha lancha, não tinha barco. Aí a gente conseguiu, com a ajuda do Cimi, montar uma associação e conseguir dinheiro fora do Brasil para construir nosso barco".

Num barco, na ocasião, com capacidade para 10 pessoas, Severino levou 40. "Não posso deixar as pessoas. A gente faz a mesma coisa hoje. No barco, agora, cabem 30, mas eu levo 60, 80. Todo mundo precisa ir para cidade, viajar. Como vou deixar um parente sem ajuda? Só a gente pode fazer por ele".

Ele conta que a língua está quase se perdendo, mas que Veridiano, um senhor de 80 anos, está ensinando as crianças. "A gente aprendeu que a gente tem um direito na Constituição. E hoje tem escola, saúde. E também não acreditamos mais em todo mundo".

Ele afirma que está procurando um substituto, mas que só tem encontrado pessoas muito autoritárias. "Só se faz as coisas acontecerem se você convidar as pessoas, não forçá-las".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)