Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

22/04/2010 15:10

Briga sobre roupa certa em escola vira caso de Polícia

Campo Grande News/ Aline Queiroz e Denis Matos

Qual a roupa adequada para o ambiente escolar? A pergunta parece simples, mas como o critério para escolha é subjetivo, gera polêmica e na Escola Estadual Flavina Maria da Silva, no Jardim Botafogo, em Campo Grande, virou caso de Polícia.

Diante de uma sala com aproximadamente 30 alunos, um estudante condenou a auxiliar de coordenação pelo que considerou postura inadequada, por considerava “vulgar” a blusa da servidora. Ela se sentiu ofendida e registrou boletim de ocorrência por injúria. A polêmica ganhou força maior depois de advertência a uma aluna por conta de roupa curta.

Usando calça justa, casaco e sapato "fashion", o acusado de injúria concedeu entrevista ao Campo Grande News . O estudante Daniel Júnior Correia Marques, 20 anos, afirma que a coordenadora, que terá o nome preservado, foi à sala em fevereiro deste ano para dar um recado com uma roupa imprópria. “Dava para ver tudo”, ressalta.

Ele garante que a blusa era muito decotada e deixava à mostra a barriga e as costas da funcionária da escola. Segundo o estudante, em outra ocasião, a auxiliar foi à escola com uma saia muito curta.

Daniel questiona a postura da funcionária. “Se ela cobra dos alunos, por que não posso cobrar dela”, diz. O jovem já prestou depoimento acerca do caso, que foi registrado na Deam (Delegacia Especilizada de Atendimento à Mulher) dia 26 de fevereiro.

À Polícia Civil, ele disse que não teve intenção de denegrir a imagem da auxiliar de coordenação. Daniel assinou TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) e o caso foi encaminhado ao JEC (Juizado Especial Criminal) porque é crime de menor potencial ofensivo.

A delegada titular da Deam, Lúcia Falcão, explica que injúria é quando o autor atribui a alguém palavra que ofenda sua honra, dignidade ou decoro. “É o sentimento que a pessoa tem da dignidade dela”, ressalta Lúcia em relação à vítima.

No boletim de ocorrência, a auxiliar de coordenação afirma que Daniel chegou a dizer que: “pessoa que usa roupa vulgar é vulgar também”. Ele rebate a acusação e destaca que um amigo fez o comentário.

Desentendimento - Diretor da escola há cinco anos, Everaldo Moteiro Silva, afirma que o desentendimento entre o estudante e a servidora vem do ano passado. O aluno diz que tambémse sente prejudicado por uma professora e que é perseguido pelo estilo de roupas e de vida que leva.

Para evitar brigas, o diretor determinou que a professora não daria aula para a turma de Daniel. A auxiliar de coordenação também teve de ser remanejada e, desde então, não entra em contato com a sala de Daniel.

Segundo o diretor, no dia em que a servidora entrou na sala para dar o recado, Daniel aproveitou para “cutucá-la”.

Sobre a blusa - Sobre a blusa polêmica, o diretor não entra em detalhes. Questionado se a roupa era ou não inadequada, Everaldo garante que orienta os professores a dar exemplo.

O shortinho - Uma aluna de 16 anos, que é amiga de Daniel, conta que dias depois da discussão entre o estudante e a auxiliar de coordenação, teve de voltar para casa e trocar o short que usava.

Ela admite que a roupa era curta, no entanto, alega que só foi repreendida porque é amiga de Daniel. “Eu já vi meninas com shorts menores que os meus”, finaliza e aumenta a polêmica.

O nome da coordenadora foi preservado porque ela está de licença médica, afastada da escola, e não teve a chance de contar sua versão sobre a polêmica.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)