Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

27/06/2012 08:20

Brasileiros que venceram argentinos dão dicas ao Timão

Breno Benedito, FPF

Não importa qual modalidade ou partida, quando se enfrentam há sempre um clima diferente entre brasileiros e argentinos. E mais uma vez não vai faltar emoção em mais uma final de Taça Libertadores da América. Corinthians e Boca Juniors decidem o título continental de 2012. Esta será a 13º vez em que Brasil e Argentina chegam à final da competição. Dos 12 confrontos anteriores nossos hermanos levam vantagem: venceram nove contra apenas três.

Deste confronto o Boca é o time que mais chegou às finais de Libertadores, ao total serão seis participações com esta. E o Boca é o carrasco dos brasileiros. Dos cincos confrontos venceu quatro: o Cruzeiro em 77, Palmeiras em 2000, Santos em 2003 e o último, o Grêmio em 2007. A única derrota aconteceu em 1963 para o Santos de Pelé, Pepe e Cia. O time argentino ainda tenta igualar a marca de um clube compatriota, o Independiente, que já faturou sete vezes o caneco continental.

O primeiro capítulo desta rivalidade foi Santos e Boca em 1963. O Santos era o atual campeão do Torneio. O canhão da Vila, Pepe relembra como foi a partida. “A torcida vaiava e fazia muita pressão, é muito difícil jogar no estádio deles”, disse Pepe que conhece o atalho para o Corinthians sair com um bom resultado. “Ter tranquilidade, manter a calma e jogar o mesmo futebol”, argumentou ainda que este Boca não é nem sombra daquele que enfrentou, mas alerta sobre a tradição. “Não tem a mesma qualidade, porém tem tradição no torneio”, disse Pepe.

Outra decisão entre brasileiros e argentinos, foi cinco anos mais tarde, em 1968. O Palmeiras chegava à final contra o Estudiantes. Mas, a sorte não esteve do lado do time brasileiro, que saiu derrotado. Em 1974 foi a vez de o São Paulo enfrentar o Independiente. E novamente os argentinos saíram vitoriosos. Dois anos depois em 1976 o Cruzeiro encarou o River Plate. E Palhinha, que em 1977 ajudou o Corinthians a sair da fila de 23 anos, falou do título mineiro. “Qualquer jogo de Libertadores tem um clima diferente, mas se tratando de argentinos o clima fica ainda pior”, disse Palhinha.

O ex-atacante sabe que a conquista de um título inédito representa o feito para o clube e jogadores. “É uma realização para todos, cada jogador vai entrar para história do clube, é uma vitrine”, disse. Como já colocou uma faixa no peito Palhinha dá a receita para esta final. “O primeiro jogo é importante. Jogar o futebol do mesmo jeito e não cair na catimba dos argentinos” ressaltou antes de falar das qualidades do Corinthians. “É um time que tem frieza, não se apavora, mesmo tomando gol mantém o mesmo estilo”, resumiu.

O Cruzeiro, no ano seguinte, pegou o Boca Juniors e aí a história foi outra. O time argentino voltaria a vencer a competição. Em 1984 foi a vez de Grêmio e Independiente se enfrentar e mais uma vez o caneco voltou à Argentina. No começo dos anos 90 o São Paulo, de Telê Santana, chegaria a três finais consecutivas 1992, 1993 e 1994. Conquistou o título em duas oportunidades, 1992 e 1993 e parou em 1994.

No primeiro título encarou o Newell\'s Old Boys , em 1992. O goleiro Zetti esteve no elenco que ergueu a taça de campeão. “É muita emoção, todos querem vencer esse torneio, ainda mais sobre um time da Argentina”, comentou. E em 1994 perdeu para o Vélez Sársfield. Mas, Zetti fala do Corinthians. “Esse time tem cara de Libertadores. O grupo joga sem vaidade todos se doando por um objetivo”, frisou. Para o arqueiro que já frequentou finais e conhece o caminho da conquista e ainda mais enfrentar o Boca no La Bomboneira. “Não é preciso jogar bonito, o importante é não sair com a derrota, aguentar a pressão e não cair na firula deles”, disse Zetti.

Depois de seis anos, em 2000, quando o Palmeiras e Boca se enfrentariam, a Argentina mais uma vez conquistava a América, e este seria a pedra no sapado dos brasileiros desde então.

Isso porque em 2003 e em 2007, o Boca venceu o Santos e o Grêmio. A última vez que teve uma final Brasil e Argentina, foi em 2009, entre Cruzeiro e Estudiantes, com mais um triunfo argentino.

Para conquistar a sua primeira Taça Libertadores da América o Corinthians terá de superar além da boa equipe do Boca, todo um prognóstico ruim dos brasileiro contra argentinos na competição, o que pode tornar uma possível conquista ainda mais saborosa aos torcedores.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)