Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

24/11/2004 13:30

Brasil vende US$ 2 bi em carne

Famasul Noticias

As exportações brasileiras de carne bovina totalizaram 1,5 milhão de toneladas - pelo conceito equivalente-carcaça, que envolve carne in natura e industrializada - nos primeiros dez meses deste ano, no valor de US$ 2,021 bilhões. Os dados divulgados ontem pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) confirmam o Brasil, pelo segundo ano consecutivo, como o maior exportador mundial de carne bovina.

De janeiro a outubro do ano passado, o Brasil exportou 1 milhão de toneladas de carne, gerando US$ 1,194 bilhão em divisas. No início deste ano, o presidente do Fórum Nacional da Pecuária de Corte da CNA, Antenor Nogueira, estimou que ao longo de 2004 o Brasil exportaria 1,5 milhão de toneladas e obteria um faturamento de US$ 2 bilhões.

- Esse resultado já foi alcançado nos dez primeiros meses do ano - afirmou ontem Nogueira.

Ele argumentou, no entanto, que a partir de agora novos crescimentos das exportações de carnes dependem muito de ajustes no mercado interno, ou seja, da melhor remuneração ao produtor. Pesquisa realizada pela CNA e pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP) mostra que ao mesmo tempo em que houve aumento de faturamento e de volumes exportados, o preço pago pelo boi gordo ao pecuarista não pára de cair no mercado interno. A análise considera a situação de nove estados - GO, MG, MT, MS, PA, PR, RS, RO e SP - que concentram 78% do rebanho nacional, de 190 milhões de cabeças.

De acordo com o estudo da CNA e Cepea/USP, entre janeiro e outubro o preço do boi caiu 2,13%, enquanto que os custos de produção (medidos pelo conceito de Custos Operacionais Totais - COT) subiram 9,04%.

- Os custos totais da pecuária de corte devem subir mais de 10% este ano. Seria preciso que o preço do boi recuperasse pelo menos essa perda para manter as margens do pecuarista - disse Nogueira. Segundo ele, de janeiro a outubro, por exemplo, os preços da suplementação mineral - que representa 15% dos custos da pecuária de corte - subiram 12,26%.

- Isso desestimula o produtor, que começa até mesmo a abater matrizes para cumprir seus compromissos, o que pode comprometer o crescimento do rebanho em médio prazo - afirmou Nogueira. Para evitar que seja firmado um cenário de desestímulo a investimentos no campo seria necessário haver o repasse, ao mercado interno, dos ganhos obtidos nas exportações. De janeiro a outubro deste ano, a tonelada da carne exportada ficou em US$ 2.141, preço 19% maior que o obtido no ano passado.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)