Cassilândia, Quinta-feira, 25 de Maio de 2017

Últimas Notícias

07/06/2006 14:48

Brasil tem 63 organizações de sem-terra, revela Unesp

Agência Brasil

O Núcleo de Estudo, Pesquisa e Projetos de Reforma Agrária da Universidade Estadual Paulista (Unesp) fez recentemente um estudo sobre os movimentos de trabalhadores rurais sem terra no Brasil. Foram identificadas 63 organizações no setor.

O levantamento revelou, no entanto, que metade dos sem-terra, cerca de 50 mil famílias, está reunida em torno do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST), responsável pelos atos de violência na Câmara ontem (6), foi considerado "pequeno" pelos pesquisadores.

"Ele [o MLST] reúne famílias que tem atuado basicamente em Minas, São Paulo e no Rio Grande do Norte. É diferente do MST que atua em todo o Brasil", explicou o coordenador do núcleo da Unesp, Bernardo Mançano Fernandes, em entrevista ao programa Notícias da Manhã, da Rádio Nacional.

Segundo ele, a atuação com violência precisa ser analisa porque não faz parte da tradição de manifestações das famílias e militantes do MLST. "Não sei o que aconteceu em Brasília. Se foi a polícia que reagiu, se eles foram reprimidos com violência e resolveram forçar a barra e entrar na Câmara do Deputados. Não faz parte da tradição desses movimentos agir com violência", disse o pesquisador.

Para Fernandes, os últimos governos não têm conseguido atender as reivindicações feitas pelos trabalhadores rurais sem terra. Na opinião dele, o Judiciário também estaria impedindo a reforma agrária, acatando o pedido de cancelamento dos decretos presidenciais que desapropriam áreas improdutivas.

O professor da Unesp lembrou que o Brasil demorou décadas para estruturar uma legislação própria para a reforma agrária. A primeira iniciativa nesse sentido teria sido o Estatuto da Terra, elaborado em 1964 pelos militares. Durante o governo do presidente José Sarney, foi criado o Primeiro Plano Nacional de Reforma Agrária, seguido em 1993 pela lei de Reforma Agrária.

Pelos cálculos de Fernandes, durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, foram assentadas 500 mil famílias. No atual governo, estaria previsto o assentamento de 400 mil famílias.

"É muito provável que ele [o presidente Lula] cumpra esta meta este ano ainda. Mas isso não atende à demanda. O desemprego tem aumentado, a mecanização no campo tem desempregado muita gente, vem aumentando cada vez mais o número de famílias sem terra", afirmou o pesquisador.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 25 de Maio de 2017
Quarta, 24 de Maio de 2017
14:40
Cassilândia
13:00
Dicas de segurança
10:00
Receita do Dia
Terça, 23 de Maio de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)