Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

31/03/2004 16:03

Brasil recebe apoio de dez países para mudanças no FMI

Milena Galdino/ABr

O Brasil conseguiu apoio de dez países da América Latina para buscar mudanças nas condições de empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI) e outros organismos internacionais de crédito. Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela concordam com o Brasil que o FMI não deveria contabilizar os investimentos em infra-estrutura – saneamento básico, integração de regiões, assentamentos, distribuição de energia – como despesas.

A proposta foi articulada pelo ministro do Planejamento, Guido Mantega, durante a 45ª reunião anual da Assembléia de Governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) em Lima, no Peru. O documento, denominado Carta de Lima, será apresentado na próxima reunião anual entre o FMI e o Banco Mundial, marcada para acontecer em 15 dias.

Leia a íntegra do documento:

Carta de Lima

Os governadores do BID que assinam este documento, presentes à XLV Reunião Anual das Assembléias de Governadores, em Lima, Peru, acordaram manifestar conjuntamente o seguinte:

1. A maioria dos governos latino-americanos tem mantido importantes programas de ajuste fiscal, que resultaram na racionalização de gastos, na implementação de reformas e na limitação dos investimentos públicos. A contenção dos gastos de custeio e os importantes avanços institucionais promovidos nos últimos anos constituem políticas corretas, que devemos continuar a perseguir. Mas a queda nos investimentos públicos, especialmente em infra-estrutura, tem reduzido a formação bruta de capital fixo, comprometendo assim o crescimento do PIB a médio prazo. Em muitos casos, tem produzido ineficiências econômicas, pela elevação de custos associada à precariedade das condições de logística e pela criação de gargalos no sistema produtivo.

2. Essas restrições têm igualmente dificultado a implementação de projetos de integração regional, que tem sido postergados devido a restrições fiscais, não obstante a existência de oferta abundante de crédito internacional destinado ao setor público. A perda das importantes sinergias que a integração física proporciona restringe o desenvolvimento da região e limita a expansão do comércio.

3. A manutenção de uma trajetória sustentável da Dívida Pública como proporção do PIB é o objetivo maior de uma política fiscal consistente. Ela constitui condição necessária à estabilidade econômica e deve ser perseguida com persistência.

4. Os instrumentos de controle fiscal atualmente utilizados, entretanto, apresentam sérias insuficiências. A excessiva simplificação da atual contabilidade de gastos primários freqüentemente conduz os governos de distintos países a tomarem decisões contrárias à consistência fiscal. A gestão austera dos gastos de custeio melhora a situação fiscal de um país. Mas a restrição a empreendimentos com retorno econômico positivo deteriora estruturalmente essa mesma situação fiscal. Do mesmo modo, deficiências de infra-estrutura que comprometam o crescimento econômico contribuem negativamente para a trajetória da Dívida Pública como proporção do PIB.

5. Investimentos e gastos correntes são fatos econômicos com impacto fiscal distinto, mas são hoje tratados como se tivessem impacto fiscal idêntico. Esse tratamento excessivamente simplificado, quando adotado como centro das metas fiscais, coloca constrangimentos à tomada de decisões econômicas racionais.

6. No caso do BID, a restrição aos investimentos públicos tem impedido que o Banco desempenhe plenamente sua missão. No ano de 2002, o Banco conseguiu desembolsar apenas 60% de seu orçamento para projetos de investimento. Em 2003, esse percentual caiu para preocupantes 30%.

7. Em face deste diagnóstico, os governadores do BID que subscrevem este documento vêm enfatizar a importância e a urgência de que sejam aperfeiçoados os critérios de contabilidade utilizados como parâmetro das metas de política fiscal. Defendem que os investimentos passem a ter um tratamento contábil adequado, que não iniba a tomada de decisões econômicas racionais.

8. Preocupados com a efetividade dos investimentos públicos e considerando que os projetos de investimento financiados pelos Organismos Financeiros Internacionais são submetidos a rigorosa análise técnica por parte dessas instituições, tanto na obtenção dos empréstimos, como no acompanhamento dos projetos, os Governadores defendem igualmente que estes investimentos tenham tratamento diferenciado no cômputo dos parâmetros a que estão submetidos os gastos correntes.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)