Cassilândia, Segunda-feira, 24 de Abril de 2017

Últimas Notícias

15/04/2008 16:42

Brasil: quanto mais necessário, pior é o serviço médico

Humberto Marques - Campo Grande News

O oferecimento de serviços de saúde no Brasil apresenta alguns paradoxos, sofridos principalmente por quem depende do serviço. É o que aponta a pesquisa “Escassez de médicos”, realizada pela Fundação Getúlio Vargas em todo o País.

Uma das constatações do levantamento ganha fundamentação teórica, embora já fosse conhecida pelos pacientes: quanto mais o cidadão estiver exposto a doenças, pior será o atendimento, seja apenas na prevenção ou no atendimento completo (incluindo hospitalização, plano de saúde ou serviços rotineiros do setor).

As constatações aparecem em um tópico específico - “Serviços de Saúde vistos pelas pessoas e pelos pacientes”. O universo de pesquisados envolve pessoas que precisaram dos serviços médicos nos 15 dias anteriores ao questionamento.

A Fundação ainda apontou que os gastos com saúde são proporcionalmente maiores para quem menos têm condições de arcar com tais despesas. Entre a faixa de analfabetos, de menor poder aquisitivo, 47,96% tiveram despesas privadas com Saúde, que consumiram 20,4% do salário dos doentes pobres em remédios e serviços.
Dentre pessoas com Nível Superior, 34,6% tiveram despesas com Saúde, que equivaleram a 9,4% do seu orçamento.Outras máximas populares recebem o referendo do estudo. Por exemplo, o fato de que o acesso à Saúde é pior para os mais pobres, seja em quantidade como em qualidade. Para esse grupo, os serviços oferecidos são menos preventivos e mais curativos.

Curiosamente, a necessidade por serviços de saúde – sejam públicos ou privados – são maiores para quem não tem plano médico. Na população universitária entrevistada, 56,03% possuía plano de saúde, número que caía a 11,45% para quem se declarou analfabeto.

Este grupo ainda foi responsável pela maior procura de serviços emergenciais: 7,27% estiveram hospitalizados, contra 6,77% de população com nível universitário. “Não prevenir fica mais caro para todos: governo, inclusive”, destaca o estudo da FGV.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 24 de Abril de 2017
Domingo, 23 de Abril de 2017
09:00
Maternidade
Sábado, 22 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)