Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/11/2004 13:31

Brasil precisa padronizar a produção de carnes

Famasul Noticías

Duas décadas atrás, a falta de padronização dos cortes das carnes bovinas exportados praticamente tirou a Austrália do comércio internacional. Apenas com a solução do problema, aquele país voltou ao mercado, tornando-se atualmente o segundo maior exportador mundial, com mais de 60% da produção voltada para o exterior.

“É fato. Em 1986, o grande número de reclamações de produtos fora de padrão fez com que a Austrália deixasse de atender o mercado externo”, confirma Ian King, presidente da Aus Meat, principal certificadora de processos e produtos agropecuários da Austrália e responsável pela padronização de cortes de carnes e carcaça bovina adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU).

“Na década de 80, a Austrália enfrentou muitos problemas com clientes devido à distância entre os países compradores, inviabilizando as devoluções dos produtos fora de padrão, problemas nas relações comerciais e até a perda de mercados”, explica King, também vice-presidente do Comitê de Padronização da Carne das Organizações das Nações Unidas (ONU).

Diante desse cenário, em 1987, a própria indústria australiana deu início ao processo de padronização de cortes de carne e carcaças. Com isso, em três anos reduziu-se significativamente o número de reclamações dos clientes com produtos fora de padrão. Hoje, apesar de o rebanho bovino australiano estar praticamente estável e até ter diminuído no último ano (passando de 27 milhões para 26,6 milhões de cabeças) devido a sucessivas secas, a produção de carne bovina aumenta ano após ano. Da mesma forma, evolui o valor por tonelada no mercado internacional. Ou seja, a carne australiana está cada vez mais valorizada.

No Brasil, a padronização dos cortes avança. Ian King concorda que o País tem melhorado seu sistema de padronização de carne bovina de olho no mercado internacional. Mas há um longo caminho pela frente.

Foi pensando nesse desafio que a Brasil Certificação, uma das principais empresas de rastreabilidade e certificação animal do País, firmou parceria com a Aus-Meat, tornando-se responsável pela adaptação e implementação dos sistemas de certificação da empresa australiana à realidade e condições brasileiras.

“A parceria já coloca à disposição da cadeia da produção de carne bovina no Brasil três serviços diferenciados certificados pela Aus-Meat voltados à certificação dos processos de abate e processamento de carne (frigoríficos), produção de animais a pasto (fazendas) e produção de animais em regime intensivo (confinamento)”, informa Alexandre Martins, diretor executivo da Brasil Certificação.

O destaque é para o serviço que certifica frigoríficos, o programa Aus Meat Language para o qual a Brasil Certificação já fechou contrato com o frigorífico Mata Boi (MG). O programa Aus Meat Language certifica as indústrias, envolvendo a padronização dos códigos e parâmetros técnicos utilizados na produção de carne.

“Esse serviço permite que produtos sejam comercializados pelos frigoríficos certificados Aus-Meat de acordo com as especificações determinadas. Fazem parte dos procedimentos a implementação de sistemas de certificação e auditagem dos padrões definidos, conversão das intenções de padronização e qualidade do setor em prática, treinamento dos envolvidos e sua capacitação para implementar e manter o sistema e monitoramento da implementação e garantia do bom funcionamento dos processos nas empresas que utilizam o serviço, entre outros”, esclarece Alexandre.

“A experiência da Austrália pode, sem dúvida, ajudar o Brasil a valorizar sua carne no exterior e a atender as exigências do mercado consumidor. Toda a cadeia produtiva é beneficiada com a padronização”, completa o diretor da Brasil Certificação.

Mais informações: www.brasilcertificacao.com.br ou telefone (11) 3061-1366


Autor:
Divulgação

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)