Cassilândia, Sexta-feira, 19 de Julho de 2019

Últimas Notícias

09/01/2019 07:40

Brasil lança plano contra superbactérias e hospitais racionalizam antibióticos

Correio do Estado

 

A guerra contra as bactérias e outros micro-organismos está reunindo hospitais, médicos, governo e indústria farmacêutica na mesma trincheira. Com alguns micróbios capazes de sobreviver aos antibióticos mais poderosos já criados, o medo é que as infecções causadas por eles matem milhões de pessoas nas próximas décadas.

O problema já assombra o presente. De acordo com estimativas do governo britânico, 700 mil pessoas morrem anualmente por causa de infecções e, entre 2015 e 2050, o número de mortos em decorrência apenas de infecções por supermicróbios pode chegar a 2,4 milhões, segundo uma estimativa da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

O custo para lidar com esse cenário um tanto catastrófico também seria enorme, de cerca de EUR 3,5 bilhões (R$ 14,9 bilhões) anuais em média para cada país membro da organização.

Uma estimativa americana aponta que de 20% a 50% dos tratamentos com antibióticos naquele país ou são incorretos ou são desnecessários -ou seja, o remédio é usado para casos mais simples, que não precisariam de antibiótico, ou o remédio errado é usado para tratar determinada infecção.

No Brasil ainda há poucos dados a respeito do tema. A Anvisa monitora desde 2010 as chamadas infecções primárias de corrente sanguínea ocorridas em UTIs de 1.900 hospitais de todo o país, mas o número está longe de representar o total de pessoas acometidas pelos micróbios multirresistentes.

Desde a descoberta da penicilina pelo escocês Alexander Fleming, 90 anos atrás, já se sabe que existem na natureza alguns micro-organismos que são simplesmente imunes a certos antibióticos. Isso significa que, em sua maquinaria celular, esses micróbios dispõem de meios de degradar ou simplesmente se livrar dessas moléculas agressoras.

O problema ganha dimensão se levarmos em conta que essas estratégias de resistência podem ser copiadas e compartilhadas entre as bactérias, gerando organismos multirresistentes.

No fim das contas, os antibióticos, quando mal empregados, destroem as bactérias "mais ou menos". Sobram apenas aquelas extremamente hábeis e capazes de gerar infecções dificílimas ou até impossíveis de combater com as ferramentas farmacológicas atuais.

A conclusão a que diversos setores chegaram é que é necessário racionalizar o uso das drogas.
Um exemplo já em prática é o da Santa Casa de Santos, que por ser referência da região em casos complexos, tem alto consumo de antibióticos. É sabido, porém, que o ambiente hospitalar é um dos mais favoráveis para as infecções multirresistentes, graças à confluência de doentes.

Uma estratégia adotada no hospital tentou reduzir o tempo de internação dos pacientes. "Eles acabavam ficando muito tempo internados só para fazerem uso do antibiótico, mas o ambiente hospitalar é de risco. A gente sabe que uma pessoa corre mais risco de vida ao entrar num hospital do que ao fazer uma viagem de avião", afirma a farmacêutica Priscilla Sartori, responsável pelo programa de gerenciamento de uso de antibióticos (ou "stewardship", no jargão em inglês) do hospital.

A prefeitura da cidade é parceira da iniciativa, aplicando a medicação a domicílio quando necessário. Em alguns casos, o paciente pôde ficar 80 dias a menos no hospital, relata Sartori. Mas há cuidados a serem tomados: "Alta hospitalar não é alta médica. A desospitalização tem de ser feita com qualidade. Se isso acontece, a recuperação no ambiente domiciliar é muito mais rápida."

Como saldo da iniciativa, que teve início em 2017, mais de mil dias de UTI foram economizados, abrindo vagas para quem mais precisava.

Um dos desafios na hora de fazer a gestão de antibióticos é a especificidade de cada país e hospital. Ana Gales, coordenadora do Comitê de Resistência Antimicrobiana da Sociedade Brasileira de Infectologia e professora da Unifesp, diz que iniciativas isoladas existem há algumas décadas, mas que só há poucos anos começaram a surgir esforços mais coordenados, especialmente na Europa, nos EUA e em outros países como Canadá e Austrália.

"Por aqui eu tenho que informar ao corpo clínico a realidade microbiológica deste hospital, qual é a melhor opção terapêutica é melhor para os pacientes daqui, que é diferente do Hospital Oswaldo Cruz, do Hospital das Clínicas da USP e mais diferente ainda de qualquer hospital dos EUA", explica o infectologista Pedro Mathiasi, que há três anos coordena o programa de stewardship no HCor, em São Paulo.

Ele explica que a cada seis meses ou um ano é preciso fazer um inventário dos patógenos presentes no hospital e descobrir o perfil de resistência deles. Assim é possível descobrir dados valiosos como o fato de 25% das bactérias dali serem resistentes ao antibiótico quinolona -droga muito usada para tratar infecções urinárias. Dessa forma é possível escolher outra droga mais adequada para resolver o problema.

O uso de antibióticos no hospital caiu cerca de 20%; também houve queda no emprego de antifúngicos, de 25%. Na UTI pediátrica a redução chegou a 60%. Além do custoreduzido, há menor chance de efeitos colaterais para quem é tratado dessa forma mais racional.

Tanto a Santa Casa de Santos quanto o HCor contaram com o apoio da farmacêutica MSD, que tem auxiliado hospitais a implementarem seus programas de stewardship, inclusive apoiando a montagem de laboratórios de microbiologia –onde os patógenos podem ser identificados, assim como a quais antibióticos eles são resistentes.

Depois de algumas iniciativas setoriais, no último mês de dezembro o Brasil lançou um programa multiministerial para lidar com o tema (ministérios do Meio Ambiente, da Saúde, da Agricultura e Ciência e Tecnologia, entre outros órgãos), delineando uma estratégia que abrange desde a educação dos profissionais de saúde, a promoção de higiene humana e animal e a ação de vigilância sanitária para garantir que as diretrizes serão cumpridas.

Também em dezembro, a Anvisa publicou regras de como interpretar testes de sensibilidade a antibióticos -cruciais para a escolha do melhor tratamento . A orientação é usar a estratégia mais branda possível capaz de matar os micro-organismos.

Outra medida, já em vigor, é a retenção de receita na farmácia a fim de coibir o uso indiscriminado de antibióticos.

Um dos aspectos mais ignorados da questão, conta Ana Gales, é o uso de antibióticos em animais de corte. "Os animais engordam mais e têm menos infecções. Esse uso incorreto na ração, para promoção de crescimento, é pior porque ele se dá em subdose, favorecendo ainda mais a seleção dessas bactérias resistentes."

A infectologista conta que algumas medidas simples podem ser empregadas pela população, a fim de evitar infecções por organismos multirresistentes. A primeira é evitar idas desnecessárias aos hospitais. Se precisar ir, o recomendável é lavar muito bem as mãos.

Outra recomendação que anda esquecida é se vacinar. Adultos também têm que manter a carteirinha de vacinação em dia a fim de evitar doenças como tétano, pneumonia e febre amarela.

A descoberta de alguns dos principais antibióticos:
- 1909: Salvarsan (Arsfenamina)
Um composto sintético, foi capaz de tratar a sífilis com eficácia pela primeira vez
- 1928: Penicilina
Primeiro antibiótico de amplo espectro a tratar infecções sérias de estreptococos e estafilococos
- 1943: Streptomicina
Marcou o início da era de ouro dos antibióticos, foi o primeiro tratamento para tuberculos
- 1953: Vancomicina
Um dos antibióticos com eficácia mais duradoura; bactérias resistentes só surgiram depois de três décadas
- 1962: Quinolonas
Usado em alguns casos de infecção urinária, podem ter efeitos debilitantes graves
- 1976: Carbapenemas
Ainda relativamente bem eficazes, são os último recurso para tratar muitas infecções
- 1987: Daptomicina
Uma das últimas classes de antibióticos descoberta

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 18 de Julho de 2019
10:00
Receita do Dia
09:00
Santo do Dia
Quarta, 17 de Julho de 2019
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)