Cassilândia, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Últimas Notícias

15/05/2005 06:36

Brasil é vítima da ''armadilha de Gabriela'', diz Celene

Alessandra Bastos/ABr

O país gastou, em 2004, o equivalente a 7,06% do Produto Interno Bruto (PIB) no pagamento de juros da dívida pública interna. De acordo com a assessora de Políticas Fiscal e Orçamentária do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) Celene Peres, menos de vinte mil famílias brasileiras são detentoras de títulos da dívida pública, o que equivale dizer que mais de 7% do PIB brasileiro é destinado anualmente a menos de vinte mil famílias no país. Os juros externos, segundo ela, consomem o equivalente 0,9% do PIB.

Os gastos elevados com o pagamento da dívida obrigam o governo a reduzir os investimentos e aumentar os impostos. Isso gera mais inflação e novos aumentos dos juros. Esse modelo econômico "retroalimentar" é chamado pela economista de Armadilha da Gabriela: "Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim", explica ela, em referência à canção gravada por Gal Costa.

De acordo com levantamento do Ministério da Fazenda - divulgado em abril e questionado esta semana pelo economista Márcio Pochmann -, o Brasil investiu, em 2004, 1,8% do PIB em Saúde, 0,7% em Educação e Cultura, 0,1% em Organização Agrária, 0,1% em Habitação e Saneamento, 0,2% em Benefícios ao Servidor e 0,2% no Sistema S (que inclui serviços sociais prestados com verbas arrecadadas da indústria e do comércio).

Na avaliação de Celene Peres, o gasto com pagamento dos juros "é muito mais do que se gasta em todas essas áreas juntas", o que faz com que os investimentos federais na área social não sejam suficientes para diminuir as desigualdades na distribuição de renda no país. Para ela, o ideal não seria "um calote ou a redução do pagamento, mas a redução das taxas de juros praticadas pelo governo".

A economista ressalta ainda que o modelo de macroeconomia adotado pelo governo federal é uma "grande bola de neve, quanto mais se eleva a taxa de juros gera uma maior necessidade por aumentar de novo a taxa". Ela explica que, quanto mais o governo gasta com pagamento das taxas, mais restrições haverá aos gastos públicos e, conseqüentemente, menor será o investimento na área social, o que, segundo ela, diminui o crescimento econômico.

Para melhorar o superávit primário (a economia que o governo faz em relação ao que arrecada, atualmente de cerca de 4,25% do PIB, com o objetivo de demonstrar que tem condições de honrar suas dívidas), uma das saídas tem sido aumentar a carga tributária, o que também reduz o crescimento econômico. "Toda vez que se aumentam os impostos, isso é repassado para o aumento dos preços, o que gera inflação". Para a economista, "é um ciclo que se retroalimenta e gera maior necessidade de ajustes". Segundo ela, na prática, "está havendo uma elevação de juros e o superávit primário não está sendo suficiente para manter a dívida, que continua aumentando. Nosso problema está na taxa de juros", aponta.

O modelo macroeconômico brasileiro atual, segundo Celene, faz com que os programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, não diminuam a desigualdade social. "Quando se reduzem os investimentos, se reduz o crescimento da economia, geração de emprego e isso vai afetar justamente as camadas mais pobres da população".



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 23 de Maio de 2017
Segunda, 22 de Maio de 2017
21:25
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)