Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

08/03/2007 16:05

Brasil busca criar mercado mundial do etanol

Bruno Jacintho, um brasileiro da faixa dos 50 anos que trabalha com criação de gado, decidiu partir para a produção de etanol, biocombustível produzido com base no álcool de cana-de-açúcar. Em meio aos quatro mil hectares de sua fazenda, em Colômbia (SP), a usina Continental brilha ao sol. A produção deve começar em 2 de abril, com o início da colheita. Pouco a pouco, as culturas da fazenda de Jacintho estão mudando.

Os 10 mil animais de seu rebanho estão sendo criados em pastos localizados a 200 quilômetros de distância, no Estado de Goiás, enquanto o milho, a soja e o feijão cederam lugar às verdes folhas ondulantes da cana-de-açúcar. "Ao fazer esta escolha, me forcei a me manter atualizado quanto às inovações que essa cultura implica", diz o empresário, um homem de maneiras cavalheirescas que devora publicações especializadas e comparece a seminários.

Ele estuda métodos de colheita, e a realiza por meios mecânicos em 20% de suas terras. Cada colheitadeira custa 300 mil euros, mas elas se tornaram comuns em São Paulo, Estado que fornece 60% do biocombustível brasileiro.

O Brasil é o segundo maior produtor mundial de álcool, depois dos Estados Unidos, e o volume de sua produção vem crescendo, atingindo os 17,6 bilhões de litros. A união dos usineiros de cana-de-açúcar estima que a produção anual deve subir à casa dos 30 bilhões de litros, em 10 anos. O setor está em plena expansão, o que acarreta elevar o número de usinas em funcionamento e a área cultivada, e superar desafios tecnológicos.

"O Brasil está na vanguarda", assegura Edmar Fagundes de Almeida, professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ao dominar de maneira completa todas as modalidades de uma produção o país se transformou no líder mundial do setor.

As plantações de cana-de-açúcar ocupam 6,6 milhões de hectares no país (com metade da área reservada ao etanol). De acordo com os especialistas, a ampliação da área plantada não ameaça a Amazônia, porque o Brasil dispõe de 90 milhões de hectares de terras não cultivadas.

Em 2030, o país poderia estar produzindo 20% do combustível ecológico do planeta, o equivalente a 130 bilhões de litros, graças à sua tecnologia de ponta. A inovação é garantida pelo trabalho do Centro de Tecnologia da Cana (CTC), em Campinas (SP), uma instituição bancada por 140 usineiros de açúcar e álcool. Os 150 pesquisadores do CTC trabalham para otimizar a exploração da cana-de-açúcar, da plantação à transformação.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)