Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

06/02/2006 15:29

Brasil busca confiança de asiáticos para vender carne

Benedito Mendonça/ABr

A descoberta de focos de febre aftosa no rebanho bovino brasileiro, em 2005, trouxe obstáculos à exportação de carnes para a Ásia. O continente tem rígidos padrões de segurança sanitária. Para divulgar as medidas de controle tomadas pelo Brasil, esta semana, o Ministério da Agricultura debate o tema com técnicos sul-coreanos no Comitê Consultivo Agrícola (CCA). A expectativa é a de que os esclarecimentos cheguem a todos os países asiáticos.

O diretor do Departamento de Saúde Animal, Jorge Caetano Júnior, explica que por meio do comitê é possível estreitar laços, aumentar as relações de confiança dos serviços veterinários e, assim, avançar na questão. "Os países da Ásia que erradicaram a aftosa tendem a acentuar as restrições em relação aos produtos por conta da doença", revela Caetano.

Para evitar maiores prejuízos na balança de exportação, o Brasil vem desenvolvendo um programa de erradicação da febre aftosa. Ainda assim, alguns países asiáticos teriam resistência no reconhecimento da zona brasileira livre de aftosa. "Esse Comitê Consultivo Agrícola é um fórum onde se pode, de maneira mais oficial, esclarecer à Coréia e à outros países da Ásia em relação aos procedimentos que são adotados para as garantias sanitárias oferecidas aqui no nosso país", conta Jorge Caetano.

De acordo com ele, o esforço é válido. Por meio dele, o Brasil mostra que pode, realmente, mercer confiança no campo sanitário e alcançar resultados positivos em termos de acesso a novos mercados, antes mesmo que o país esteja totalmente livre da doença. No entanto, o direitor não estabelece prazos para a conquista dos novos clientes.

Na visão de Caetano, o entrosamento entre serviços promovidos pelo Brasil e pela Coréia do Sul, tanto na área animal quanto na da vegetal, é sempre importante. "Na verdade, o Brasil nesse processo tem vários interesses e a exportação de carnes e produtos de origem animal é apenas um deles", lembra, citando o etanol como outro ponto importante da pauta de produtos a serem negociados com os sul-coreanos.

Entre novembro e dezembro do ano passado, foram identificados focos de febre afotosa em fazendas do Mato Grosso do Sul e Paraná. Quase 50 países chegaram a impor restrições à importação de carne brasileira. Nas fazendas em que a doença foi diagnosticada, todo o rebanho foi executado.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)