Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

21/06/2004 17:54

Brasil abriga mais de três mil refugiados

Juliana Andrade/ABr

O Brasil abriga hoje cerca de 3,2 mil refugiados, pessoas que se encontram fora de seu país de origem por razões políticas ou perseguição motivada por questões de raça, religião, nacionalidade ou filiação a determinado grupo social. Os dados são do Comitê Nacional para Refugiados (Conare). Em todo o mundo, o número de refugiados chega a 17 milhões.

Além de terem que deixarem para trás parentes, amigos, casa e trabalho, os refugiados muitas vezes enfrentam problemas no país que os acolhe. Entre as principais dificuldades, está a falta de integração e de emprego, a compreensão de um novo idioma e a adaptação a outra cultura.

As questões foram tratadas durante o seminário “Refúgio e Direitos Humanos”, promovido pelo Escritório do Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) no Brasil, em comemoração ao Dia Mundial do Refugiado, celebrado ontem. Durante o evento, o representante da Acnur no país, o peruano Luis Varese, afirmou que a legislação brasileira sobre o tema é uma das mais avançadas na América do Sul. Segundo ele, a rapidez do processo de reconhecimento da condição de refugiado é um dos pontos positivos. “Em geral, leva de três a cinco meses”, informou Varese. Ele ressaltou que, como se trata de “deixar seu país para salvar a própria vida”, é fundamental que não haja morosidade no processo.

O Brasil foi o primeiro país da América do Sul a aderir à Convenção de 1951, que protege e dá assistência ao refugiado: entrou para a lista de países signatários desse instrumento internacional em 1960. E, 37 anos depois, em 1997, foi o primeiro país sul-americano a criar uma lei para regulamentar a convenção.

Segundo Varese, os refugiados em território brasileiro têm os mesmos direitos de um imigrante legal e estão sujeitos às mesmas obrigações. A partir do momento em que são reconhecidos como tal, eles passam a ter a garantia de que não poderão ser deportados a seu país de origem, explicou o representante do Acnur.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)