Cassilândia, Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

Últimas Notícias

11/06/2011 11:31

Bombeiros soltos querem anistias criminal e administrativa

Nielmar de Oliveira, Agência Brasil

Rio de Janeiro - Mais de quatrocentos bombeiros já deixaram o quartel de Charitas e seguem agora para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), onde centenas de colegas de farda estão acampados desde o final da semana passada. Amparados por um habeas corpus concedido na madrugada dessa sexta-feira (10) pelo desembargador Cláudio Brandão de Oliveira, os 439 bombeiros começaram a ser soltos durante esta madrugada assim que o alvará de soltura expedido pela juíza Ana Paula Figueiredo chegou ao quartel central dos bombeiros, em Charitas, Niterói.

Os líderes do movimento foram os primeiros a serem soltos. Eles deixaram o quartel da corporação reivindicando anistias criminal e administrativa e agradecendo o apoio recebido pela população durante o período em que estiveram detidos.

Durante toda a madrugada, parentes dos bombeiros presos fizeram vigília no quartel e comemoraram com queima de fogos quando os primeiros começaram a ser libertados. De braços dados, todos cantaram o hino da corporação.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) atribuiu a demora na expedição dos alvarás de soltura a problemas na rede de informática em razão da sobrecarga provocada pela quantidade de documentos a serem expedidos simultaneamente.

Também na noite dessa sexta-feira o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou à Justiça todos os 429 bombeiros presos pela invasão do quartel central. Segundo o MP-RJ, a denúncia foi subscrita pelos promotores de Justiça Leonardo Cuña e Isabella Pena Lucas.

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse ontem que para o Executivo fluminense o conflito envolvendo os militares do Corpo de Bombeiros era um assunto encerrado, um episódio já superado, mas que, do ponto de vista administrativo, o comando da corporação iria abrir um procedimento disciplinar para avaliar caso a caso.

Na avaliação do governador, o diálogo deve sempre prevalecer e a hierarquia e o Estado de Direito devem ser respeitados, o que não aconteceu na sexta-feira passada (3) quando centenas de bombeiros ocuparam o quartel central da corporação exigindo melhores salários.

“Eu acho que houve uma situação completamente fora do Estado Democrático de Direito. Mas eu tenho certeza absoluta de que esse é um episódio que já está superado, que a hora é de olhar para a frente e de retomar a rotina dos serviços públicos\", disse Cabral

Edição: Andréa Quintiere

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 18 de Janeiro de 2017
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Terça, 17 de Janeiro de 2017
23:53
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)