Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

15/08/2013 16:13

Barbarismo e idioleto

Alcides Silva
Barbarismo e idioleto

Língua portuguesa, inculta e bela
Alcides Silva
Barbarismo e idioleto

O comodismo é próprio do ser humano. Normalmente aceitamos as coisas como elas nos são apresentadas: é a lei do menor esforço. Daí porque volta-e-meia embarcamos em canoas-furadas, compramos quinquilharias e mezinhas salvadoras, ofertamos contribuições a entidades-fantasmas, caímos no conto-do-vigário, comemos gato por lebre, enfim, somos ludibriados por mera preguiça de pesquisar ou de indagar.
Em sendo a língua uma instituição social e um sistema de valores e a fala um mero ato individual, o comodismo nos leva a aceitar palavras e expressões sem se lhes buscar a exata significação, a grafia verdadeira ou a correta pronúncia. Assim como o uso do cachimbo faz a boca torta, a repetição constante daquelas representações mentais cria o hábito verbal E com isso costumeiramente caímos em erro.
Já relatei aqui que, em denúncia escrita, certo promotor acusava alguém de ter abusado sexualmente de uma mulher “nos fundilhos da Rodoviária”, querendo com isso dizer que o ato ocorrera nos fundos do antigo prédio da rodoviária, onde funcionavam os sanitários públicos. ‘Fundilho’, como se sabe, é a parte das calças correspondente ao acento.
A isso – emprego irregular de uma expressão - se dá o nome de idioleto que é o sistema linguístico de um único indivíduo num determinado período de sua vida e reflete suas características pessoais, os estímulos a que foi submetido, sua cultura etc. É um erro individual.
Tenho visto placas indicativas de minhocários e anúncios na imprensa apregoarem a venda de humus e ouvido ilustradas senhoras dizerem que o utilizam em seus vasos e xaxins (a maioria, aliás, pronuncia “xaxinhos”). Em português castiço, puro, a palavra é humo, derivada do latim húmus-i, significando matéria orgânica que dá fertilidade à terra. Mas o povo consagrou a forma húmus e assim permanecerá, porque consentânea com a estrutura da língua. E há uma razão lógica para a arcaização do termo humo. É que em latim existe o verbo transitivo humo – ãs- ãre- ãvi- ãtum- com significado de “enterrar”, “cobrir com terra”, “fazer os funerais de alguém”. Isso é denominado de arcaização ou emprego de palavra fora de moda.
Com o advento do Renascimento, no século XVI, foram traduzidas obras dos grandes escritores latinos e gregos e essas traduções motivaram o aparecimento de palavras que, com pequenas modificações, já haviam ingressado na língua portuguesa, como o nome da matéria orgânica dos vasos e xaxins. Xaxim, porém, é palavra de origem tupi-guarani, nome de um samambaiaçu da mata atlântica. Isso, porém, é assunto reservado aos doutores em gramática histórica e aos botânicos. Isso é peregrinismo, quando a palavra ou o conceito estrangeiro torna-se costume lingüístico de um grupo. Difere da arcaização, que restaura o termo primitivo.
Costumeiramente tenho lido ou ouvido expressões que me fazem lembrar daquela denúncia, como as que aparecem a seguir, as grafadas em negrito, as corretas, as em itálico, as consideradas erradas: abóbadacodorna degote, degotado; empecilhoSe o erro for individual é idioleto; se de uso comum pelo povo, barbarismo.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)