Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

06/03/2006 10:16

Baixa do dólar derruba venda antecipada de soja

Fernanda Mathias/Campo Grande News

A baixa do dólar refletindo em preços aquém dos esperados pelo produtor fizeram com que as negociações envolvendo a soja em Mato Grosso do Sul travassem, totalizando neste período apenas de 17% a 20% de comprometimento dos 4,7 milhões de toneladas do grão previstos para serem colhidos até o fim de março, contra 40% da safra no mesmo período do ano passado.

A informação é da Granos Corretora de Grãos. O corretor Leon Dávalos observa que hoje o preço da saca está a R$ 21,00, especialmente na região Sul (Dourados e Rio Brilhante) contra R$ 28,00 a R$ 29,00 no mesmo período do ano passado. Na região de Chapadão do Sul há negócios para entrega em março na casa de US$ 10,00.

O mercado, afirma Leon, poderá reagir caso ocorra algum inconveniente na safra norte-americana, por isso o compasso entre os produtores é de espera. “Já em relação ao câmbio há uma incógnita”, diz. O dólar é referência para cotação mundial da soja. No final da semana passada fechou na casa de R$ 2,11 quando no mesmo período do ano passado estava cotado entre R$ 2,66 e R$ 2,77.

O presidente da Aprossul (Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso do Sul), Carmélio Romano Roos, afirma que o produtor neste período, considerando rendimento médio de 40 sacas por hectares, deveria estar recebendo cerca de R$ 33,00 por saca para ter renda e remunerar os custos e estima que o custo de plantação por hectare não fique abaixo de R$ 25,00. Além de uma queda média de 15% na produtividade, por conta da estiagem, o produtor teve de desembolsar mais recursos para controlar a ferrugem da soja este ano, segundo Carmélio. Treze municípios já decretaram situação de emergência por conta das perdas provocadas pela estiagem.

Ele afirma que o produtor está entrando em uma bola de neve ao reduzir a área plantada/ tecnologia usada no campo ano após ano e defende uma moratória de 10 anos para o pagamento das dívidas contraídas pelos produtores. Para ele, se o governo aceitasse essa moratória, concedendo carência de 5 anos, o setor privado, que financia grande parte das lavouras, também seria sinalizado de que precisa alongar as dívidas do setor.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)