Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

17/05/2009 14:57

Autopreservação: Guaranis ganham apoio político na luta

Luiz Augusto Gollo , Agência Brasil

Rio de Janeiro - São 57 índios guarani ao todo, a maioria mulheres e crianças ou adolescentes, todos da mesma família e ocupando área aproximada de 2 mil metros quadrados (m²) na extremidade dos quase 3 quilômetros (km) da praia de Camboinhas, bairro exclusivo na costa oceânica de Niterói.

Pontilhada por luxuosos condomínios e amplas casas de veraneio, Camboinhas exibe índice de mais de 95% de residências com água encanada e esgotamento sanitário - entre os mais altos do país - e uma população fixa e flutuante, que é a clientela única do artesanato indígena, principal fonte de renda da pequena aldeia guarani, cujo faturamento oscila entre R$ 300 e R$ 500 por semana.

Há cerca de ano e meio instalados no final da praia, os índios sempre sofreram discriminação e ameaças, mas convivem com as adversidades sem medo, apoiados nos espíritos evocados no início de cada noite, em rituais por proteção divina. Sabem que não são benvindos, mas confiam na liderança da pajé Lídia, mãe do cacique Darci e de dois outros expoentes da etnia: Amarildo, professor na escolinha para as crianças, e Tonico Benites, mestre e doutorando em antropologia social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A pajé Lídia é a responsável pela migração do grupo para Niterói, pois entre os guaranis cabe aos líderes espirituais escolher o lugar onde devem habitar. E ela optou por Camboinhas, por ser local de um grande sambaqui, ou cemitério indígena, ancestral na região. Os opositores à presença deles não gostam sequer de ouvir falar dessa história e nos dois primeiros meses do ano estiveram várias vezes no final da praia, ameaçando-os de dia e de noite, como Lídia se lembra bem.

“Um dia, aí pelas dez e meia da manhã, chegaram gritando para sair, expulsando mesmo a gente. Às onze, tacaram fogo em tudo, queimaram as oito ocas, com documentos, roupas, coisas da gente, da história guarani, tudo foi embora”, diz a pajé. Seu filho Tonico Benites acrescenta que o crime, por afetar indígenas, caiu nas mãos da Polícia Federal, o que possivelmente assustou seus autores, mas provocou uma reação inesperada.

“Logo depois apareceram funcionários do instituto que cuida das florestas no governo estadual dizendo que a gente não podia mais continuar aqui, que tínhamos que sair. Nós batemos pé que não, e eles foram embora falando que a responsabilidade era toda nossa."

Desde então, e por mais de um ano, os guaranis de Camboinhas têm convivido com narizes torcidos, caretas, eventuais ofensas e xingamentos e também a indiferença de boa parte da gente que frequenta a praia e compra seu artesanato simples de palha colorida trançada, sementes, penas e plumas. As oito ocas, reerguidas com palha de sapê colhida ali mesmo, permanecem até hoje de pé, como afirmação maior da confiança na proteção espiritual.

Nenhum guarani acredita no sucesso da investigação da Polícia Federal sobre o incêndio das ocas, até porque não foram capazes de identificar os autores, nem os que apareceram durante a reconstrução mandando interromper o trabalho. Para os guaranis, há pouca diferença entre um branco e outro, por isso, até para fazer essa reportagem foi necessário o acompanhamento de gente de Maricá para apresentar a equipe da Agência Brasil.

Neste momento, Lídia e seu grupo familiar depositam suas expectativas na ação da prefeitura de Maricá, cidade vizinha a Niterói, cujo prefeito, Washington Quaquá, está decidido a transferi-los para uma Área de Proteção Ambiental (APA) da União na Barra da Maricá, onde a pajé escolheu um sítio entre as praias de Itaipuaçu e São José. “Terra boa pra plantar, não é areia, como aqui”, Lídia adianta, confiante de que em breve voltará ao cultivo de milho, mandioca, feijão e outros produtos ancestrais da agricultura guarani.

Se o terreno em Camboinhas é impróprio ao plantio, por que foi escolhido pela pajé quando saiu de Parati? Primeiro, porque era urgente a mudança, segundo ela. “Não tinha mais espaço para todo mundo em Parati, não dava pra plantar muito, eu não aguentava ver criança chorando com fome, tinha que sair. Depois, aqui era terra de sambaqui, da proteção dos espíritos."

Lídia não fala mal dos que estão em Parati, até porque pelo menos um filho seu ficou, mas a identidade comum parece perdida. Os guaranis de lá vivem outra realidade, em casas de alvenaria, preferem o mercado ao cultivo próprio, incorporam a cultura branca, até imitam seu comportamento consumista. Esta dicotomia aflora com clareza no discurso de Tonico Benites no projeto de criação do Centro de Exposições de Culturas Materiais e Imateriais do Guarani M'byá - ramo da etnia guarani ao qual sua família pertence.

Segundo Benites, os líderes praticantes do xamanismo ou pajés Guarani M'byá mantêm relação estreita com os espíritos guardiões responsáveis pelos animais, plantas, terra e ser humano. Deles recebem o conhecimento para diagnosticar e tratar os enfermos, bem como sobre fórmulas de medicamentos, além de purificar o espaço.


"Os espíritos protetores vivem em certos patamares mais elevados do cosmo extraterreno, segundo a religião do Guarani M'byá, os guardiões como os donos do mar e da floresta vivem e realizam monitoramentos de formas invisíveis - a água, o ar, a mata e a terra-, os quais são temidos, portanto extremamente respeitados pelo Guarani",explicou.

A determinação de Lídia e seu grupo na preservação da cultura guarani legítima e genuína sensibilizou a tal ponto a prefeitura da cidade de Maricá que foram designados vários secretários e subsecretários da área social para atuar junto aos índios. Marcos de Dios, Maria Cristina Lima, Leonardo Nóbrega e Rosângela Zeidan tratam desde a burocracia junto à União, para a desapropriação da área a ser ocupada na APA, até o cadastramento da família de Lídia no Bolsa Família e outros programas sociais.


No último Dia do Trabalho, em solenidade comandada pelo prefeito, foi instalada uma oca na praça central da cidade, em homenagem (e desagravo) aos guaranis. Dias depois, vândalos a incendiaram, no que parecia ser a repetição do crime de Camboinhas. Tonico Benites, no entanto, aponta outra razão.

“Como em toda parte, há uma disputa política em Maricá. O prefeito tem a sua oposição, os que são contra esta ação em favor da gente. Isso existe em qualquer lugar, não tem nada a ver diretamente com os guaranis, é uma ação contra o prefeito."

A comprovar as palavras do antropólogo guarani, um artigo assinado por Rodovaldo Coutinho no jornal A Voz de Maricá enumera uma série de carências urbanas da cidade, que reclamam ação e dinheiro da prefeitura, e termina com a pergunta: “Não seria melhor deixar os guaranis onde estão?”. A prefeitura, por sua vez, acredita que a ação em defesa da pequena comunidade ameaçada representa o passo essencial para a solução de um caso inédito no século XXI, com as características desse dos guaranis em Camboinhas.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)