Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

Últimas Notícias

18/07/2012 20:08

Aumento do preço do diesel chega à bomba e deve afetar vários setores

Paula Vitorino, Campo Grande News

A alta de 6% no preço do diesel, registrada nesta segunda-feira (16), já reflete no bolso do consumidor e, principalmente, de quem depende do combustível para trabalhar. Este é o segundo aumento em pouco mais de um mês. A primeira alta foi de 2%, após mais de um ano de estagnação no preço.

“É um grande transtorno. No final do mês é que a gente vê o gasto a mais no bolso”, diz a agropecuarista Maria Alves, de 46 anos, que viaja constantemente com veículo a diesel.

O consumidor Renato Felipe Magalhães, de 43 anos, ainda lembra que o aumento do diesel é mais preocupante do que outros combustíveis justamente porque a maioria dos usuários são “trabalhadores do transporte”, o que influencia o preço de outros setores.

Nas bombas, a reportagem apurou que o reajuste de 8% representa aumento entre 9 e 11 centavos por litro.

Efeito cascata-O que em pequenas quantidades pode parecer pouco, o Sindicargas (Sindicatos dos Trabalhadores e Transportadores de Cargas de MS) alerta representar um grande rombo no bolso para quem abastece diariamente até uma média de 300 a 400 litros–caminhões de médio e grande porte que realizam viagens interestaduais.

No cálculo do Sindicato, uma transportadora que consome cerca de 20 mil litros por mês vai perder cerca de 1,2mil litros com o aumento.

O prejuízo, alerta o Sindicargas, não pode ser absorvido pelas transportadoras e vai ser repassado para o consumidor final, que consome os produtos transportados em todo o Brasil. Cerca de 70% do transporte realizado no país é feito por meio das rodovias.

Ainda de acordo com o Sindicato, o preço do diesel em Mato Grosso do Sul é um dos mais caros do país, o que prejudica a competitividade do Estado.

Com a alta, o preço do combustível no Estado está variando entre R$ 2,10 e R$ 2,40, de acordo com o Sindicato.

Frete - A alta do diesel vem junto com a queda do preço oferecido pelo frete, o que representa prejuízo dobrado para os motoristas, diz o sindicato.

“Não está mais compensando fazer frete. O preço está caindo e a gente acaba gastando quase tudo que ganha com o óleo (combustível)”, diz o motorista Erly Garcia, de 35 anos.

De acordo com o Sindicato, o gasto com o combustível representa 60% do ganho com o frete.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)