Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/06/2004 10:54

Aumento de trabalho infantil foi de 6% nos últimos anos

Jacqueline Lopes / Campo Grande News

Infância. Período de vida que vai do nascimento à adolescência, extremamente dinâmico e rico, no qual o crescimento se faz em todos os domínios, segundo o dicionário Aurélio. O trabalho nesta fase da vida é proibido pelo ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). Em Mato Grosso do Sul, a prática ilegal dos serviços de crianças e adolescentes apresentou crescimento expressivo em comparação ao ano anterior. Em 2001 eram 13.092 crianças e adolescentes de 7 a 13 anos ocupados e, no ano seguinte, já são 16.359. Um aumento em 6%.
“O aumento deve nos levar a refletir e diagnosticar”, afirma Regina Rupp, auditora fiscal da DRT/MS. A miséria e a falta de renda associada a fatores de ordem cultural acabam influenciando o trabalho precoce. “Muitas famílias defendem o trabalho nessa idade em função da geração de renda, outras acreditam que ao se manterem ocupadas as crianças estarão longe da criminalidade e dos vícios. Como faltam opções de lazer e esporte a ocupação se dá através do trabalho”, completa.
Existem no mundo mais de 200 milhões de crianças de ambos os sexos que trabalham em condições degradantes – sujeitas inclusivamente a diversas formas de escravidão, exploração sexual, trabalhos forçados e servidão.
As informações partem da OIT (Organização Intenacional do Trabalho). O órgão internacional destaca o fato desses jovens serem forçados pela pobreza, o crescimento populacional e a globalização da economia. Na América Latina, são 20 milhões de crianças a trabalhar ilegalmente.
Em MS, os números da Síntese de Indicadores Sociais divulgados este ano também revelam as conseqüências do trabalho na infância: 68,6% das crianças que trabalham estão atrasadas na escola, enquanto as que não trabalham o atraso afeta 45,8%. A freqüência à escola é maior para as crianças de 5 à 17 que não trabalham (91,7%) do que para as que trabalham (80,5%), segundo informações da Ong (Organização Não Governamental) Girassolidária.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)