Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

27/05/2005 10:00

Ata do Copom diz que aumento dos juros é vigilância

Stênio Ribeiro/ABr

A persistência da inflação nos últimos meses foi a principal causa da elevação da taxa básica de juros (Selic), na semana passada, para 19,75% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom). É o que informa a ata da reunião do Copom divulgada hoje pelo Banco Central. De acordo com o documento, só a manutenção da taxa de juros estabelecida em abril, mesmo que por um período longo, "não proporcionaria condições adequadas para assegurar a convergência da inflação para a trajetória de metas".

Como resultado, o colegiado de diretores do BC decidiu, por unanimidade, aumentar a taxa em 0,25 ponto percentual e acompanhar atentamente a evolução do cenário de preços do mercado até a reunião de junho, e só então definir os próximos passos na estratégia de política monetária implementada desde setembro do ano passado, quando a Selic era de 16%.

A exemplo das atas das reuniões anteriores, o Copom ressalta a necessidade de a autoridade monetária estar pronta para adequar o ritmo e a magnitude dos ajustes da taxa de juros, caso os fatores de risco para a inflação aumentem. O comitê promete manter-se "especialmente vigilante" para evitar que pressões de curto prazo se propaguem, posto que a política monetária atua com defasagem sobre a inflação.

A ata destaca, por exemplo, que os efeitos do ciclo de aumentos da Selic, a partir de setembro de 2004, já se fazem sentir tanto na contenção de preços no primeiro trimestre deste ano quanto nas projeções do BC e dos analistas do setor privado. Ressalta que os efeitos do processo "ainda não se fizeram sentir integralmente", em virtude da "persistência de focos de pressão" que contaminam a inflação corrente e contribuem para deteriorar as expectativas futuras.

O documento do Copom manifesta surpresa com o resultado da variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no mês de abril, que registrou inflação de 0,87% -- bem acima dos 0,61% de março, em que pese a elevação da taxa básica de juros em 3,5 pontos percentuais até então.

Mais uma vez, os preços administrados por contrato, ou monitorados (combustíveis, energia elétrica, telefonia, educação, remédios, água, transporte urbano e outros) deram forte contribuição para o aumento da inflação. Houve aumento de remédios, das tarifas de ônibus em três capitais, das contas de energia elétrica em cinco regiões, da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e reajustes no valor da taxa de iluminação pública.

Isso contribuiu para que os preços administrados aumentassem 1,14% em abril, respondendo por 0,34 ponto percentual na composição do IPCA. O Copom acredita que esse segmento terá menor peso daqui para frente e projeta inflação acumulada dos preços administrados em 7,3% neste ano, contra projeção anterior de 7,2%. O Boletim Focus da última segunda-feira (23) projeta índice de 7,8%.

De acordo com as novas informações disponíveis sobre tendências dos preços públicos e dos serviços monitorados, a ata do Copom manteve a hipótese de inflação zero este ano para gasolina e gás de cozinha; reavaliou de 7,9% para 8,6% os reajustes acumulados das tarifas de telefonia fixa; e manteve a expectativa de 10,8% para os reajustes das tarifas de energia elétrica residencial.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)