Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/05/2006 19:48

Associação vai à Justiça por preço mínimo ao produtor

Humberto Marques/Campo Grande News

A AMA (Associação Maracajuense de Agricultores) ingressou hoje na Justiça Federal com uma ação civil coletiva contra a União, em nome dos cerca de dois mil produtores que fazem parte da entidade. O intuito é buscar o ressarcimento do preço mínimo legal das safras de trigo, soja e milho colhidas entre 2003 e 2005. O presidente da AMA, Germano Francisco Bellan, explicou ao Dourados News que o desequilíbrio nas contas dos agricultores está ligado à desobediência do governo em pagar o preço mínimo estipulado no Estatuto da Terra.

O valor a ser pago, conforme Bellan, é constituído a partir do custo real da produção, despesa de transporte para o mercado mais próximo, de expurgo, armazenamento, conservação e embalagem, bem como uma margem de lucro ao produtor que não pode ser inferior a 30%. “Hoje o preço do saco de soja é avaliado em R$ 40 [no Estatuto], porém, o governo estipulou o valor de R$ 14”, protestou.

O processo protocolado tinha mais de 50 páginas, e foi baseado em uma amostra de custos de produção divulgado pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). Cícero João de Oliveira, assessor jurídico da entidade, ressaltou que o governo federal cumpre com o preço mínimo há 20 anos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)