Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

04/05/2006 19:48

Associação vai à Justiça por preço mínimo ao produtor

Humberto Marques/Campo Grande News

A AMA (Associação Maracajuense de Agricultores) ingressou hoje na Justiça Federal com uma ação civil coletiva contra a União, em nome dos cerca de dois mil produtores que fazem parte da entidade. O intuito é buscar o ressarcimento do preço mínimo legal das safras de trigo, soja e milho colhidas entre 2003 e 2005. O presidente da AMA, Germano Francisco Bellan, explicou ao Dourados News que o desequilíbrio nas contas dos agricultores está ligado à desobediência do governo em pagar o preço mínimo estipulado no Estatuto da Terra.

O valor a ser pago, conforme Bellan, é constituído a partir do custo real da produção, despesa de transporte para o mercado mais próximo, de expurgo, armazenamento, conservação e embalagem, bem como uma margem de lucro ao produtor que não pode ser inferior a 30%. “Hoje o preço do saco de soja é avaliado em R$ 40 [no Estatuto], porém, o governo estipulou o valor de R$ 14”, protestou.

O processo protocolado tinha mais de 50 páginas, e foi baseado em uma amostra de custos de produção divulgado pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). Cícero João de Oliveira, assessor jurídico da entidade, ressaltou que o governo federal cumpre com o preço mínimo há 20 anos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)