Cassilândia, Sábado, 25 de Maio de 2019

Últimas Notícias

06/04/2019 15:00

Assistência à família não exime mãe de Kauan de denúncia de maus tratos

Segundo dados do Estado e do Município, Janete dos Santos recebe Vale Renda e é acompanhada por programas assistenciais; denúncia é que crianças passam fome e vagam nas ruas

Campo Grande News/Silvia Frias e Kerolyn Araújo

A família da dona de casa Janete dos Santos Andrade, 38 anos, está na lista dos beneficiários de programa do Estado e também recebe atendimento por meio do Cras (Centro de Referência de Assistência Social). Mesmo recebendo apoio financeiro e assistencial, Janete é investigada por maus-tratos a duas filhas, de 2 e 4 anos. Há quatro meses, perdeu a guarda de outras três crianças.

Ela é mãe de Kauan Andrade Soares, assassinado em 2017. Há quatro meses, um bebê de 11 meses, uma menina de 5 anos e um garoto de 8 foram retirados de Janete pelo Judiciário.

“É importante lembrar que as vítimas desse caso são as crianças e não a mãe delas. Ela só tem essas duas filhas com ela, todos os outros estão em abrigos, foram retirados do convívio familiar depois da morte do Kauan”, disse a delegada adjunta da Depca (Delegada Especializada de Pronto Atendimento Comunitário), Franciele Candotti.

Nesta sexta-feira (5), Janete foi intimada a levar as meninas para a delegacia, onde seriam ouvidas por psicólogas. As meninas permaneceram em silêncio. Para Franciele, elas podem ter sido orientadas pela mãe a ficarem em silêncio.

Já a dona de casa nega que as crianças tenham sofrido maus-tratos e afirma que tudo não passa de “fofoca de vizinhos”. Segundo ela, nunca faltou nada para os filhos, mesmo que de forma modesta. “Perdi Kauan e eles acham que tem direito de me tirar os outros”. Janete diz ainda que, desde a morte do filho, em junho de 2017, nunca recebeu visita do Conselho Tutelar.

A delegada, no entanto, explica que a polícia recebeu várias denúncias de que as meninas ficavam na rua, sujas, passando fome e eram alimentadas pelos vizinhos. Os investigadores foram ao local e encontraram indícios de maus-tratos. Ainda assim, a polícia reforçou a importância do depoimento das meninas para a conclusão do caso, o que não foi possível.

Sinais – Mesmo assim, Franciele detalha que o depoimento vai além do que é dito pelas meninas: a experiência da polícia é que, muitas vezes, os pais orientam as crianças a dizer que não sofrem maus-tratos. Por isso, a equipe avalia outros sinais, como condições físicas e características do relato. “O estado não pode substituir os pais, mesmo com o apoio de projetos sociais, o papel de educador é dos pais”.

Inicialmente, a partir da tomada de depoimento, as psicólogas teriam 48 horas para emitir relatório e, depois, o inquérito seria encaminhado ao Judiciário. As meninas ficam com a mãe e seguem sendo acompanhadas pelo Conselho Tutelar até um posicionamento da justiça.

Segundo assessoria da prefeitura, a família é acompanhada pelo Cras (Centro de Referência da Assistência Social) desde 2017 e, sempre que necessário, recebe cestas básicas e apoio para encaminhamento a outros órgãos. As crianças ainda participam do serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, programa que visa à socialização na comunidade.

A reportagem ainda entrou em contato com a Sedhast (Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho), mas não obteve resposta. A informação da polícia é que a família recebe Bolsa Família.

Morte – Kauan Andrade Soares foi violentado e esquartejado pelo professor Deivid Almeida Lopes, no dia 25 de junho de 2017.

Conforme relato de quatro adolescentes, com idades entre 14 de 16 anos, o menino foi violentado, antes e depois da morte, e o corpo foi retalhado por Deivid.

Os restos mortais teriam espalhados pelo rio Anhanduí. Mesmo sem o corpo, com base em investigação e perícia, a denúncia foi encaminhada e Deivid foi julgando e condenado a 66 anos e dois meses de prisão.

(Colaboram Geisy Garnes e Alana Portela)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 25 de Maio de 2019
Sexta, 24 de Maio de 2019
10:00
Receita do Dia
07:20
Atenção motoristas e ciclistas
Quinta, 23 de Maio de 2019
22:00
Loterias
21:45
Loterias
21:42
Loterias
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)