Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

18/03/2005 07:57

Assembléia e a CPI da desnutrição indígena

Marcelo Pereira/ANL
divulgaçãodivulgação

O diretor clínico do Hospital da Missão Caiuá, Franklin Amorin Saião, foi a primeira pessoa a prestar depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga casos de desnutrição indígena na região de Dourados. O médico que trabalha na Missão há 17 anos explicou que a fome na aldeia é antiga. "Desde 1928, quando foi fundada a Missão na região, já havia problemas de saúde. A intenção do grupo era evangelizar o povo indígena, mas diante do quadro houve a decisão de se levar educação e saúde", contou Amorin Saião.

O diretor explicou que o Centrinho, como é conhecido o hospital da Missão Caiuá, recebeu no ano passado cerca de R$ 7 milhões. Esses recursos, estabelecidos através de um contrato com a Fundação Nacional de Saúde - Funasa, dentro do Programa Nacional de Saúde Índigena, foram administrados pelo próprio órgão do governo, enquanto à Missão Caiuá coube uma parte do valor para contratação de funcionários. "Esse contrato existe desde outubro de 1999. Inicialmente os recursos eram gerenciados somente pela Missão. Mas, a partir de 2002, a Funasa assumiu o gerenciamento destes recursos, enquanto a Missão ficou responsável pelos recursos humanos", diz Franklin Amorin Saião.

O médico reconheceu que as dificuldades aumentaram desde 2002. A burocracia para processos de licitação foi uma das mudanças negativas para garantir a ampliação dos tratamentos. "Houve maior demora no processo de compra e recebimento de medicamentos", examinou Amorin Saião.

Durante depoimento, Saião disse que o hospital da Missão Caiuá gasta mais com a capacitação de agentes do que com medicamentos. O Centrinho é um hospital de baixa complexidade e todos os problemas de saúde mais graves são encaminhados para o Hospital Evangélico, no município de Dourados. Na opinião do médico, houve falha no envolvimento dos agentes de saúde. "Eles não vestiram a camisa. Também faltou acompanhamento para discutir problemas e soluções para a comunidade", citou o médico que em nenhum momento do depoimento soube explicar quantas crianças morreram de desnutrição na região.

Para o diretor, os recursos são suficientes para o atendimento hospitalar, mas por conta dos investimentos na melhoria física e aumento de pessoal o valor não é o ideal. Ainda precisamos de mais estrutura e enfermeiros, mas sem dinheiro não tem como providenciar. Mas os documentos entregues à Comissão indicam gastos com combustível, mecânica e aparelhos transmissores de rádios.

O médico ainda afirmou que existem implicações históricas para erradicar a fome. "Não houve sucesso quando tentaram ensinar aos índios a plantar. E as etnias Kaiowá, Guarani e Terena têm características muito diferentes para que se possa generalizar uma forma de tratamento para todos. São diferenças nos hábitos, costumes, religião e línguas", explicou Amorin Saião ressaltando que a situação mudou: "Hoje existe miscigenação".

Outra causa da fome seria o crescimento vegetativo nas aldeias de Dourados. De acordo com o depoimento do médico, foram cerca de 500 nascimentos no ano passado. "Com isso aumentaram também os problemas sanitários e a capacidade de plantio continuou a mesma", declarou Saião.

O diretor clínico do Hospital da Missão Caiuá, Franklin Amorin Saião, foi a primeira pessoa a prestar depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga casos de desnutrição indígena na região de Dourados. O médico que trabalha na Missão há 17 anos explicou que a fome na aldeia é antiga. "Desde 1928, quando foi fundada a Missão na região, já havia problemas de saúde. A intenção do grupo era evangelizar o povo indígena, mas diante do quadro houve a decisão de se levar educação e saúde", contou Amorin Saião.

O diretor explicou que o Centrinho, como é conhecido o hospital da Missão Caiuá, recebeu no ano passado cerca de R$ 7 milhões. Esses recursos, estabelecidos através de um contrato com a Fundação Nacional de Saúde - Funasa, dentro do Programa Nacional de Saúde Índigena, foram administrados pelo próprio órgão do governo, enquanto à Missão Caiuá coube uma parte do valor para contratação de funcionários. "Esse contrato existe desde outubro de 1999. Inicialmente os recursos eram gerenciados somente pela Missão. Mas, a partir de 2002, a Funasa assumiu o gerenciamento destes recursos, enquanto a Missão ficou responsável pelos recursos humanos", diz Franklin Amorin Saião.

O médico reconheceu que as dificuldades aumentaram desde 2002. A burocracia para processos de licitação foi uma das mudanças negativas para garantir a ampliação dos tratamentos. "Houve maior demora no processo de compra e recebimento de medicamentos", examinou Amorin Saião.

Durante depoimento, Saião disse que o hospital da Missão Caiuá gasta mais com a capacitação de agentes do que com medicamentos. O Centrinho é um hospital de baixa complexidade e todos os problemas de saúde mais graves são encaminhados para o Hospital Evangélico, no município de Dourados. Na opinião do médico, houve falha no envolvimento dos agentes de saúde. "Eles não vestiram a camisa. Também faltou acompanhamento para discutir problemas e soluções para a comunidade", citou o médico que em nenhum momento do depoimento soube explicar quantas crianças morreram de desnutrição na região.

Para o diretor, os recursos são suficientes para o atendimento hospitalar, mas por conta dos investimentos na melhoria física e aumento de pessoal o valor não é o ideal. Ainda precisamos de mais estrutura e enfermeiros, mas sem dinheiro não tem como providenciar. Mas os documentos entregues à Comissão indicam gastos com combustível, mecânica e aparelhos transmissores de rádios.

O médico ainda afirmou que existem implicações históricas para erradicar a fome. "Não houve sucesso quando tentaram ensinar aos índios a plantar. E as etnias Kaiowá, Guarani e Terena têm características muito diferentes para que se possa generalizar uma forma de tratamento para todos. São diferenças nos hábitos, costumes, religião e línguas", explicou Amorin Saião ressaltando que a situação mudou: "Hoje existe miscigenação".

Outra causa da fome seria o crescimento vegetativo nas aldeias de Dourados. De acordo com o depoimento do médico, foram cerca de 500 nascimentos no ano passado. "Com isso aumentaram também os problemas sanitários e a capacidade de plantio continuou a mesma", declarou Saião.

Os membros da CPI da desnutrição, Maurício Picarelli, Bela Barros, Pedro Kemp, Dr. Loester e Luizinho Tenório, também interrogaram o médico contratado pelo convênio Funsa - Missão Caiuá, Zelik Trajber.

Mais notícias sobre a Assembléia Legislativa é só clicar na página principal, na palavra ASSEMBLÉIA

Agência de Notícias do Legislativo - ANL
Marcelo Pereira


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)