Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

31/10/2006 04:11

Assédio de advogados confunde parentes de vítimas

José Carlos Mattedi /ABr

O assédio de advogados aos parentes das vítimas do acidente com o Boeing da Gol, no dia 29 de setembro, tem contribuído para confundi-los sobre o pedido de indenização. A opinião é da empresária Luciana Siqueira, que perdeu o irmão na queda do avião em Mato Grosso e diz que além dos brasileiros, advogados de vários países têm feito diversas propostas aos parentes das vítimas.

“O assédio começou no hotel, em Brasília, onde eles também se hospedaram e inclusive colocavam cartões de visita debaixo da porta", conta Luciana, uma das coordenadoras da Associação do Vôo 1907, que já tem sedes em Campinas (SP), Brasília, Recife e Manaus. "O que não falta é oportunista. É preciso ter cuidado”, alerta.

Escritórios de advocacia do México, Estados Unidos e Inglaterra, e mais de uma dezena de profissionais brasileiros já procuraram a família da empresária. “Dia desses, dois rapazes se diziam representantes de um escritório norte-americano e depois fomos ver que era uma farsa", revela, acrescentando que "temos dois anos para entrar com uma ação, que pode ser no Brasil ou nos Estados Unidos – não há pressa".


Segundo Luciana Siqueira, que mora em Campinas, algumas famílias já fecharam contratos, o que ela considerou precipitado e perigoso: "É hora de ter calma, muita coisa deve ser pensada, até porque as investigações ainda não foram concluídas”.

A indenização a ser paga é diferente para cada caso – o valor é determinado pela forma como a morte afeta a vida dos familiares, idade, perspectivas profissionais etc. O irmão de Luciana tinha 38 anos, era empresário de uma multinacional, casado, e deixou dois filhos menores. A associação acompanha as investigações e ajuda na troca de informações entre os parentes.

Jorge André Cavalcante, que mora em Brasília e perdeu um sobrinho de 26 anos no acidente, contou que ainda não procurou a Justiça em busca da indenização. E que é grande o assédio de advogados e de pessoas que oferecem "facilidades", serviços e muitas promessas.


O sobrinho era casado e deixou um filho de 2 anos. A família já conversou com mais de dez escritórios, nacionais e internacionais. “Estamos avaliando o que pode ser mais interessante. Muitos prometem e poucos cumprem. Temos que tomar a decisão certa para não haver arrependimento”, disse Cavalcante.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)