Cassilândia, Terça-feira, 19 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

01/09/2017 16:30

Asma e DPOC são cada vez mais comuns — mas estão matando menos

EPharma Notícias

Primeiro, a má notícia: a asma e a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), duas das principais complicações do trato respiratório, ficaram mais comuns ao redor do mundo. E, agora, a boa: elas estão matando menos gente.

É o que mostra o levantamento mais completo sobre o assunto dos últimos tempos, o Global Burden of Disease (GBD) 2015, da publicação científica The Lancet. O relatório se debruça sobre epidemias no geral, porém os dados a respeito dessas duas disfunções respiratórias foram coletados pelos pesquisadores entre os anos de 1990 e 2015.

Durante o período levado em consideração, a porcentagem da população que sofre de asma subiu em cerca de 12%. Na contramão, o número de mortes relacionada à doença diminuiu mais ou menos 27%.

Em relação à DPOC — uma mistura de bronquite com enfisema pulmonar que é comum em fumantes —, foi possível observar um aumento de 44% na sua prevalência ao redor do mundo. Essa explosão de casos foi acompanhada de um crescimento de cerca de 11% na quantidade total de mortes. Uma análise mais atenta, no entanto, demonstra que a taxa de mortalidade entre os pacientes com DPOC despencou 42%, quando se observa apenas indivíduos na mesma faixa etária.

Dito de outra maneira, a DPOC não é mais tão mortal quanto antes entre quem sofre com ela. Porém, o crescimento e o envelhecimento populacional a tornaram bem mais incidente, o que fez subir o número absoluto de óbitos.

Saúde respiratória e economia

O GBD também levantou números importantes quanto a outras questões, como a influência de fatores socioeconômicos nas chances de sobrevivência. Resultado: as mortes por asma especificamente são mais suscetíveis a esta interferência. Talvez, e só talvez, isso ocorra em decorrência de piores condições de assistência aos enfermos.

Os estudiosos constataram ainda que a exposição à poluição do ar e ao tabagismo, por exemplo, estão intimamente relacionados aos dois males. “Houve numerosas iniciativas para diminuir o tabagismo ao redor do mundo”, escrevem Onno van Schayck e Esther Boudewijns, pesquisadores da Universidade de Maastricht, na Holanda, em artigo sobre o assunto para o The Lancet. “Agora é o momento de encararmos a poluição ambiental e doméstica, que, juntas, afetam mais a vida das pessoas com a doença do que o próprio cigarro”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 19 de Setembro de 2017
Segunda, 18 de Setembro de 2017
22:10
Loteria
Domingo, 17 de Setembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Setembro de 2017
20:39
Loteria
20:37
Loteria
20:34
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)