Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

22/08/2005 14:01

Asfixia neonatal:Pesquisa identifica fatores de risco

Agência Notisa

Ao engravidar, toda mulher espera ter um bebê sadio. No entanto, algumas vezes isto não é possível devido a complicações durante a gravidez, o parto ou com o concepto. Uma das conseqüências pode ser a asfixia perinatal (sufocação, insuficiência respiratória), causa importante de morbidade e mortalidade neonatal. Com o objetivo de identificar os fatores de risco para a asfixia perinatal, pesquisadores da Hospital Geral de Bonsucesso fizeram um estudo com 277 recém-nascidos que nasceram na maternidade do hospital.

De acordo com artigo publicado na edição de novembro/dezembro de 2004 da Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, “algumas causas de asfixia perinatal são inevitáveis, mas algumas outras podem ser evitadas prestando-se assistência à gravidez de alto risco em unidades com facilidades obstétricas e boa assistência neonatal”. Os fatores de risco analisados no estudo foram: idade materna, estado civil, grau de escolaridade, história obstétrica, assistência pré-natal, complicações clínicas e obstétricas foram analisados.

A equipe constatou que dos 277 recém-nascidos, 14% apresentaram asfixia neonatal. O estudo mostra também que estão incluídos nos fatores de risco, que contribuem para o aumento da probabilidade de ocorrência de asfixia, o antecedente de natimorto (já ter tido um filho nascido morto), a ameaça de parto prematuro, o baixo peso ao nascer, o antecedente de cesariana e o número de consultas pré-natais. Segundo os pesquisadores, “a visão de que a cesariana é fator de risco para asfixia apresenta um viés, uma vez que grande parte das operações cesarianas já tem como indicações o comprometimento fetal ou parto prematuro, na presença de sofrimento fetal crônico que obriga a antecipação do parto, ou seja, a asfixia é prévia à cesariana e não por ela determinada. Na verdade a operação é feita como forma de tratamento da asfixia”.

Apesar disso, os pesquisadores alertam para a importância de as pacientes portadoras dos fatores de risco serem encaminhadas dentro do sistema de saúde para unidades onde possam receber assistência de acordo com o risco. “O planejamento da assistência pode beneficiar-se com a previsão do risco e a providência de equipe especializada em ressuscitação neonatal”, afirmam no artigo.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)