Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/02/2013 13:39

As lições da renuncia de Bento XVI para as organizações

Marcos Morita*

A renúncia do Papa Bento XVI vem ao encontro de um assunto que tratei recentemente em minhas aulas na Universidade. Abordávamos o tema “Antecedentes da Administração”, em suma, acontecimentos ou períodos da história correlacionados com a teoria administrativa anteriores a Taylor e Fayol, ambos criadores da Teoria Clássica.

A igreja católica sempre foi tida como exemplo de hierarquia forte, controle rígido e centralização, citando a instituição secular que conseguiu expandir suas fronteiras de atuação em uma época caracterizada pelas corporações de ofício, artesões e pequenas aldeias com pouca ou nenhuma comunicação entre si. Cardeais, patriarcas, arcebispos, bispos e padres compõem o intrincado organograma composto por cargos como: prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica e Vice-Presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano, só para citar alguns exemplos.

Neste tipo de organização, também denominado como mecanicistas, regras, procedimentos e burocracia são a tônica, gerando um sistema apático, lento e ineficiente, movido a favores e influências políticas, citadas como uma das razões da renúncia. No outro oposto, as organizações orgânicas apresentam maior flexibilidade e estimulo à inovação e criatividade, típicas das atuais startups e empresas de internet. Em épocas de redes sociais e microblogs, não é surpresa que as empresas do segundo grupo tenham maior sucesso num mundo dominado pela rapidez e fluidez das informações.

A igreja também nos leva a pensar sobre a questão da missão, visão e valores das organizações. Duradouras - até certo ponto, já que não se pode mudá-las na mesma velocidade das promoções de vendas - podem e devem ser revistas periodicamente, avaliando-se os cenários e tendências, assim como seus impactos e possibilidade de ocorrência, como destacou o professor da Universidade de Berkeley, David Aaker, em sua matriz impacto versus premência. É clássico também o artigo de Theodore Levitt, Miopia em Marketing, publicado nos anos sessenta na Harvard Business Review, mencionando a derrocada do sistema ferroviário nos Estados Unidos, até então insuperável e insubstituível meio de transporte.

Avancemos algumas décadas até a época dos filmes de 24 ou 36 poses, indispensáveis em qualquer viagem, casamento ou festinha de aniversário. Sua criadora e líder é hoje uma sombra do império que foi no passado, levando-se em consideração o competitivo mercado de imagens digitais. Seus executivos, preocupados em proteger seus empregos ou talvez desdenhando a nova e incipiente tecnologia, foram engolidos pelos novos entrantes. Discos de vinil, CDS e DVDS seguiram a mesma trilha, para a qual se encaminham também livros e jornais impressos.

Um paralelo pode ser feito com a igreja católica no Brasil. Conforme levantamento realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o país foi a nação católica que mais perdeu fiéis nas últimas décadas. Em 1970, mais de 90% dos brasileiros se diziam católicos, número hoje que mal chega aos 65%. Grande parte destes fiéis migrou para as igrejas cristãs pentecostais, as quais passaram de meros 5% para mais de 20% no período, não obstante os esforços de padres como Marcelo Rossi e seu movimento de Renovação Carismática.

Enfim, qualquer executivo ou conselho de administração preocupar-se-iam com o cenário apresentado: perda de clientes, queda na participação de mercado, produtos e serviços desgastados, estrutura hierárquica engessada, excesso de burocracia, falta de inovação, feudos, dissidências internas, escândalos políticos e financeiros, apesar da marca e tradição quase inabaláveis.

De maneira generalista, este será o cenário que encontrará o próximo papa. Apesar da fumaça branca tão esperada com o fim do conclave, o mandato será caracterizado por trovoadas, nuvens negras e desafios, comparável aos mais badalados e bem remunerados CEOS, os quais pagam com o próprio cargo, resultados abaixo do esperado. Isto era impensável na igreja católica. Hoje não mais, graças a Bento XVI.

Marcos Morita* é mestre em Administração de Empresas, professor da Universidade Mackenzie e professor tutor da FGV-RJ. Especialista em estratégias empresariais, é colunista, palestrante e consultor de negócios. Há mais de quinze anos atua como executivo em empresas multinacionais.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)