Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/06/2012 07:36

Artigo:A insignificância da pessoa só

João Bosco Leal

Li um texto que relatava a reunião de um jovem em busca de seu primeiro emprego e o diretor da empresa onde pretendia consegui-lo. Na conversa o jovem procurava convencer o empresário de que era o candidato mais preparado, comentando sobre todos os cursos que havia cursado e sempre nas melhores escolas.

Em dado momento o homem pediu-lhe para ver suas mãos - lisas e delicadas -, próprias de um estudante que nunca havia trabalhado e perguntou-lhe se já havia olhado para as mãos de seus pais. O jovem explicou então que não possuía pai há muitos anos, que falecera quando tinha apenas um ano e que sua mãe o criara - e aos outros três irmãos que ainda estudavam -, lavando roupas de terceiros, mas que realmente nunca havia olhado para suas mãos.

Perguntado se já a ajudara em sua tarefa o rapaz disse que ela nunca o permitira, dizendo que queria que ele estudasse bastante e que um dia fosse um \"doutor\". Foi então aconselhado a fazer isso e voltar no outro dia para continuarem com a entrevista.

Ao solicitar isso, causou curiosidade em sua mãe que, constrangida, deu-lhe as mãos ásperas, calejadas e com várias cicatrizes para que fossem vistas e lavadas. Observando aquelas mãos feridas e em certos pontos doloridas até pelo simples contato com a água que a limpava, o jovem chorou e, pedindo perdão, agradeceu tudo o que a mãe havia lhe proporcionado com seu sacrifício.

Era a primeira vez que ele se dava conta dos sacrifícios realizados por ela para pagar suas mensalidades e que as cicatrizes e calos eram as marcas do preço pago para que hoje, com sua excelência de formação acadêmica, fosse o escolhido para o primeiro emprego. Naquele dia ele lavou todas as roupas, pedindo para a mãe descansar e durante aquela noite conversaram como nunca o haviam feito.

Ao voltar no dia seguinte e contar ao diretor que aprendera o que provavelmente seria a maior lição de sua vida, assumiu o emprego desejado, ouvindo de seu chefe o conselho, de nunca se esquecer de valorizar aqueles que trabalhavam para ele, pois sem eles nunca seria ninguém e que jamais teria sequer uma camisa limpa e bem passada para ir trabalhar, sem o sacrifício de alguém.

Ouviu ainda que ao acordar e desfrutar de seu café da manhã com o pão, a manteiga e o leite, deveria lembrar-se que nada disso lá estaria sem que outras pessoas tivessem plantado o trigo, criado a vaca, tirado o leite, feito a manteiga e o pão, transportado e comercializado esses produtos e alguém os houvesse colocado na mesa para que ele pudesse deles se servir.

Quantas vezes passamos pelas pessoas sem sequer observá-las? Quando dizemos ao ascensorista do elevador que nos transporta algo além do andar para onde queremos ir ou além do prato que desejamos para um garçom, mais que um bom dia ou boa tarde ao porteiro do prédio onde moramos ou trabalhamos e cumprimentamos um gari por quem passamos, mesmo sabendo que sem eles não poderíamos viver em comunidade e que tudo estaria apodrecendo e fétido à nossa volta?

A maioria das pessoas não enxerga que, para sua alimentação, vestimenta, trabalho, transporte, diversão, moradia ou mesmo para que procrie, ninguém possui algo ou sobrevive sem a participação de outros e que basta olhar a sua volta para perceber que sempre estará devendo agradecimentos ou pedidos de desculpas a alguém.

Nem mesmo as mais modernas tecnologias são capazes de alterar nossa dependência de outras pessoas - que muitas vezes sofrem por nós -, pois diferente da maioria dos animais, o ser humano já nasce precisando de alguém que amarre e corte seu cordão umbilical, que o agasalhe e amamente ou sequer sobreviveria.

O reconhecimento de nossa insignificância quando estamos sozinhos é o primeiro passo para que nos tornemos dignos das ajudas diariamente recebidas.

João Bosco Leal www.joaoboscoleal.com.br

*Jornalista, escritor e produtor rural




Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)