Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

16/05/2011 08:33

Artigo: Serviço Militar, inserção e cidadania

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

É preocupante a noticia de que o Exército Brasileiro só incorpora hoje a metade dos 80 mil jovens que chegou a acolher anualmente para o Serviço Militar, e que, em face ao emagrecimento dos recursos, os quartéis reduzirão o expediente das segundas-feiras para, com isso, economizar a comida da tropa. Diante da gravidade desses fatos, algo tem de ser feito muito urgentemente para garantir à força, a imprescindível execução de sua tarefa em tempos de paz, e à população, os serviços e a cidadania que a instituição é tão capaz de prestar e distribuir.

Durante décadas, as famílias brasileiras tinham o orgulho de encaminhar seus filhos ao Exército, à Marinha e à Aeronáutica, na certeza de que ali seriam forjados como verdadeiros cidadãos úteis à comunidade e à Pátria. Todos os pais e mães entendiam que os valores que a família até então não tivesse conseguido transmitir, o jovem receberia ao “servir”. É uma verdade que o tempo e o modernismo não conseguem apagar, por mais que se alterem a política e as convenções sociais.

O Brasil globalizado e emergente enfrenta uma gigantesca lacuna que se aprofunda entre as exigências atuais do mercado de trabalho e a deficiente formação dos candidatos às vagas. Governos e instituições esforçam-se para oferecer ensino à altura das necessidades. E, para espanto de todos nós, inexplicavelmente, o Exército, uma das mais tradicionais instituições nacionais com tentáculos em todos os rincões, fica fora desse esforço, mesmo reunindo o mais invejável quadro de profissionais e sistemas que poderiam ajudar na qualificação dos jovens em idade de ingressar ao mercado de trabalho.

O contingente de convocados a servir o Exército - 40 mil por ano, segundo as informações – está muito distante do número de brasileiros que completam maioridade e, segundo a legislação, deveriam passar pelos quartéis e unidades afins. Anualmente existe 1,3 milhão de jovens completando 18 anos e em condições de fazer o Serviço Militar. A esmagadora maioria deles perde essa oportunidade de treinamento, cidadania e qualidade de ensino oferecida àqueles que “servem” a uma das forças. Muitos, além de não receberem o benefício, acabam cooptados pelo crime organizado e perdem-se como cidadãos.

Está na hora de o governo, aproveitando o empuxo da economia, que a cada dia exige mais treinamento e especialização, colocar a estrutura de Exército, Marinha e Aeronáutica a serviço dessa grande tarefa. Além da instrução militar propriamente dita, os quartéis são capazes de treinar e formar motoristas, mecânicos, técnicos em logística, alfaiates, pedreiros, carpinteiros e outros profissionais existentes na caserna para que, após a desincorporação, passem a atuar na economia nacional.

Ao longo de sua história, as Forças Armadas já abriram linhas de transmissão, construíram hidrelétricas, rodovias e ferrovias e auxiliaram em muitas ações pioneiras de desenvolvimento. Não é demais pensar que essa grande escola de cidadania e de diferentes profissões pode continuar ajudando no desenvolvimento nacional. Mas, para isso, precisa de recursos e empenho governamental...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br





O Cassilandianews não se responsabiliza por artigos ou opiniões com autoria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)