Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

15/03/2011 11:15

Artigo: O PIB e o Código Florestal

Edivaldo Del Grande é presidente da Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo

Dizer que o ano só começa depois do Carnaval é mera constatação quando o assunto é o novo Código Florestal Brasileiro. Primeiro veio o Natal, depois a virada do ano, acompanhada pela renovação de boa parte do quadro de parlamentares no Congresso Nacional, e então o Carnaval. Agora, não há mais desculpas, muito menos motivos para que as regras que regularão a ocupação do solo brasileiro não sejam definidas.

A discussão se alongou em demasia no ano passado, provocando antagonismos desnecessários entre ruralistas e ambientalistas. É verdade que, em certo ponto, pode haver um conflito de ideias, mas não há nessa discussão lado certo ou errado. Há na verdade um único lado que precisa ser considerado: o da sustentabilidade. E aí há que se entender a sustentabilidade de forma ampla – ambiental, social e econômica.

O Brasil tem inegável vocação para o agronegócio. Conseguimos manter o superávit de nossa balança comercial apesar da falta de políticas agrícolas adequadas de comercialização, de liberação de crédito e de seguro no campo, sem contar o enorme esforço para driblar o mal da inflação, que por anos fez minar a rentabilidade das safras. Hoje vivemos um momento privilegiado de crescimento econômico. Somos um dos grandes fornecedores mundiais de alimentos.

O PIB brasileiro do agronegócio atingiu 6,5% de crescimento nos últimos 10 anos, enquanto o PIB nacional teve 6% de crescimento no mesmo período, segundo dados do IBGE. O crescimento da agricultura (6,5%) se deve ao aumento de produção de várias culturas importantes da lavoura brasileira, com destaque para soja (20,2%), trigo (20,1%), café (17,6%), milho (9,4%), cana (5,7%) e laranja (4,1%) e pela crescente penetração no mercado externo. Tudo isso é resultado de investimentos em tecnologia para aumento da produtividade e melhoria da qualidade do plantio.

A expectativa agora é que esses números cresçam ainda mais e temos potencial para isso. O crescimento é necessário para garantir a sustentabilidade econômica do país e de milhões de pessoas que dependem das atividades ligadas ao agronegócio para sobreviver. Envolvem não somente o produtor rural, mas toda a engrenagem que se movimenta em seu entorno - insumos, transportes, distribuição e comércio.

Por outro lado, o Brasil detém uma das maiores reservas intocadas de vegetação. Dos 850 milhões de hectares de área que possui, 537 milhões preservam boa parte de sua cobertura vegetal natural, seja ela floresta, caatinga, pampa ou outra, conforme estudo realizado por pesquisadores da Escola Superior de Agricultura \"Luiz de Queiroz” – USP. Uma riqueza que não pode ficar exposta por falta de legislação.

A criação de uma câmara de negociação na Câmara Federal para debater com representantes de ambientalistas e ruralistas o relatório do deputado Aldo Rebelo sobre a reforma do código pode ser uma boa iniciativa para que dali saia uma solução equilibrada. A falta de uma definição, mais do que desagradar a todos, causa incertezas e provoca prejuízos ao País, que depende de investimentos em infraestrutura para tornar sua produção cada vez mais eficiente e lucrativa – condição fundamental para garantir a permanência do homem no campo com qualidade de vida e geração constante de riquezas.

Portanto, repensar o Código Florestal é urgente. Não é uma tarefa fácil. E o principal desafio está na diversidade encontrada no Brasil. Dificilmente haverá uma única norma capaz de atender a todas as necessidades do país. As especificidades de cada região exigem tratamentos diferenciados e definir uma normatização que contemple essas peculiaridades é fundamental para garantir a sustentabilidade ambiental, econômica e social do país.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)