Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

15/02/2012 18:06

Artigo: O Momento de Reconstruir


Não são raros os momentos que passamos por tanta dor que nosso peito parece que vai explodir. Não são raras as vezes que parece que estamos caindo num poço sem fundo ou caminhado numa imensa escuridão que cega nossos olhos. Não é raro vermos pessoas angustiadas, sem saberem o que fazer com todo o sentimento que lhes restou. Não é fácil vencermos os nossos medos e os incalculáveis temores que nos sobrevêm quando alguém nos deixa só, mesmo que seja involuntariamente.

Quem se dispôs a amar sabe que esses momentos podem acontecer. Quem deseja dispor espaço em seu peito para o amor tem que saber que nem tudo são flores num mundo cor-de-rosa. Na vida de todos que amam, há sim momentos de dor tão grande que somente as lágrimas são capazes de traduzir.

Às vezes, para se protegerem da sensação de hostilidade do mundo que as cerca, as pessoas buscam no isolamento a chave para abrir portas que mostram novos horizontes. Contudo, essa nem sempre é a melhor alternativa. Parece contraditório, mas a solidão sempre vem acompanhada de infortúnios, queixas e pesares – com os quais, é claro, não desejamos conviver.


Mas o que fazer com todo aquele sentimento que restou de experiências vividas em companhias que foram tão boas para nós? Como desatar o nó de uma situação que parece se embaraçar ainda mais a cada tentativa de resolução? Como vencer as barreiras que uma circunstância construiu entre dois corações que durante algum tempo se entenderam tão bem?


Talvez um dos caminhos seja o de desconstruir, ou seja, desmontar ou desmanchar os entraves que atrapalham nossos passos em direção a dias melhores. Isso pode ser compreendido facilmente, pois não dá para reconstruir uma casa sobre entulhos que fazem referência a momentos que precisam ser superados. Exemplos de situações assim são o que acontece entre pais e filhos, professores e alunos, marido e mulher, enfim, entre pessoas que querem promover a paz na escola, na sociedade e na família.


No processo de construção de um relacionamento, estamos “pisando em ovos”, pois tudo o que sabemos sobre o outro é ainda muito vago. Isso faz nossa “matéria-prima” imprecisa, pois não sabemos, por exemplo, qual sentimento dispor ou quanto vamos nos permitir envolver.


Reconstruir, por sua vez, exige, ao mesmo tempo, delicadeza e força, ou seja, não uma delicadeza que foge e se esconde, mas uma delicadeza que não fere, não machuca e não causa ainda mais máculas a um relacionamento já ferido. Reconstruir exige mais detalhe, mais calma, mais persistência, pois, nesse processo, já conhecemos o outro, já sabemos que ele é falho, que pode se enganar, que pode errar mais uma vez. Entretanto, quem ama de verdade consegue vencer as barreiras de possibilidades pessimistas e dá mais uma chance para tornar a edificar um relacionamento que, agora, conta com bases mais sólidas.


Durante a infância de nossos filhos, por exemplo, vamos construindo nossa “casa”, imaginando-a linda, bela, sem defeitos e falhas. Com o passar do tempo, talvez comecemos a identificar rachaduras que podem comprometê-la por completo. E se esse relacionamento chega a um nível em que a convivência fica ameaçada, é hora, então, de limpar o terreno dos entulhos e recomeçar a partir de uma base construída no conhecimento dos limites e potenciais de ambos. A mesma situação pode ser entendida nos relacionamentos de professores e alunos, ou seja, é hora de “sacudir a poeira”, levantar o rosto e permitir-se, mais uma vez, ser operário nessa grande construção, que se dá na convivência do dia a dia.


O rompimento de um relacionamento pode ser perfeitamente reversível. Contudo, quando o fim é inevitável, ficamos sem saber o que fazer com todo o sentimento que restou e que pulsa junto a cada batida de nossos corações. A pessoa pode até ir embora, mas deixa em nós impressões que precisam ser tratadas.


A volta de um filho, o desejo de um aluno tentar se recuperar mais uma vez, a pessoa amada que quer mais uma chance, não importa muito o contexto. Agora pode ser o momento de reconstruir.



(*) Erika de Souza Bueno é Coordenadora-Pedagógica do Planeta Educação e Editora do Portal Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br). Professora e consultora de Língua Portuguesa e Espanhol pela Universidade Metodista de São Paulo. Articulista sobre assuntos de língua portuguesa, educação e família.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)