Cassilândia, Terça-feira, 28 de Março de 2017

Últimas Notícias

21/12/2011 08:34

Artigo: Nosso momentos felizes nos acompanham para sempre

Terezinha Tagliaferro, de Malta

Em nossa vida se alternam momentos de altos e baixos, porém uma coisa é segura: Nossos momentos felizes nos acompanham pra sempre.E quando acontece, como no meu caso, que a minha cara metade ja esta em outra dimensao, esses momentos se tornam a mais bela recordaçao.Como voces sabem, essas recordaçoes aparecem mais forte nessa época do ano.Sendo assim,decidi escrever um pouco sobre nossos ultimos natais juntos.

Chegamos aqui em Malta em 1984.Pouco a pouco fomos nos adaptando porque foram anos de muita luta.Tivemos de recomeçar a nossa vida praticamente do zero , pois naquela época a moeda daqui era chamada “Libras Maltesas” era muito forte e valia 6 x o nosso antigo cruzeiro, de modos que, de tudo aquilo que possuiamos no Brasil pouco sobrou, apos a compra das passagens e o pagamento feito a transportadora para enviar algumas coisas da nossa mudança, somente as coisas especiais.

Nessas alturas, ficamos 3 anos sem carro, mas em 85 ja pudemos financiar a nossa casa e em fins de dezembro de 87 pudemos comprar um carro usado, que nos foi entregue 15 dias antes do Natal,era nosso maior presente .Me recordo que quando meu marido chegou com o carro fiquei muito feliz porque estava em bom estado de conservaçao.Era um carro abençoado, pertencia a um sacerdote, que nos facilitou muito nas prestaçoes.E assim, aproveitamos as festas de final de ano pra fazermos a nossa primeira viagem, que so foi possivel com a ajuda de um amigo do meu marido.Pois é, esse amigo dele tem varios apartamentos na outra Ilha, que se chama Gozo, que alugam para turismo.Como nesta época do ano é de baixa estaçao os apartamentos ficavam sem uso, ele gentilmente nos emprestava.Foi otimo.Gostamos tanto que se tornou costume, todos os anos la pelo dia 22 ou 23 de dezembro preparavamos tudo e partiamos para um descanso de 15 dias.Embora fazia muito frio e durante o dia tinha poucas horas de sol, isto, quando nao chovia,eram dias maravilhosos, que so pelo fato de estarmos juntos, nao faltava mais nada.

Levantavamos cedinho pra ir a missa, na volta compravamos tudo o necessario para se fazer um bom café da manha.O pao de la é diferente do pao daqui e nos passavamos o ano todo esperando para saborea-lo novamente.Além disso, compravamos todos os dias “gbeina” um tipo de queijinho fresco, feito de um dia para o outro.E tipico da ilha, feito com leite de cabra.E mesmo uma delicia.

Entao faziamos aquele café da manha bem reforçado, depois preparavamos uma cesta com sandwiches, frutas, saladas e bebidas e saiamos, so retornando a tarde.Deixavamos o carro em um certo lugar e depois caminhavamos a pé pelas rochas que costeavam o mar.Esses lugares so eram possiveis mesmo fazer a pé, pois nao tem estradas para carro.E assim, como nos sempre diziamos: “Durante todos esses anos, indo e vindo, pudemos conhecer todos os cantinhos mais escondidos da ilha.”

Me recordo, que nos chegavamos em Gozo, descarregavamos o carro, que sempre ia lotado, acomodavamos tudo na casa e depois a primeira coisa que faziamos era ir num determinado lugar,perto do mar, onde cresciam em abundancia, uma flor tipica do natal daqui e se chama: “ narcise”.Colhiamos tanto, colocavamos em casa porque tinha o “Perfume de Natal”e servia como nossa decoraçao.

O apartamento ficava numa cidade que se chama Xlendi, cidadezinha beira-mar.Da janela da cozinha se avistava uma paisagem maravilhosa.Se podia, ver o mar, todo o movimento da pequena praça, mas o mais importante, a montanha rochosa que havia em frente .Eu olhava todos os dias aquela majestosa colina e me sentia pequena vendo nela a potencia do Criador.Durante a noite nos dormiamos embalados pelo barulho das ondas altissimas que levadas pelo vento forte, batiam nas rochas.Também se podia ver a igreja da cidade, era pequena e tao bem decorada para a ocasiao que parecia mesmo um presépio.Ainda, soa nos meus ouvidos, as musicas natalinas que o vigario deixava o auto-falante da igreja ligado até as 23h. todos os dias.

E assim, todos os anos iamos pra la, desde 1987 até 2000.O povo dali estavam ja acostumados conosco e tinhamos até feito muitas amizades com o açougueiro, verdureiro, o paroco, o padeiro, o leiteiro, etc...

Um certo dia, decidimos subir a pé aquela montanha.Preparamos sanduiches, bebidas e saimos antes do sol surgir.Demoramos muito, mas conseguimos chegar ao topo, onde tinha uma outra cidade.Depois tivemos de dar uma volta enorme pra voltar pra casa, mas estavamos de férias e o tempo era todo nosso.Tivemos de parar e descansar muitas vezes porque o caminho era longo.

Anos depois, quando meu marido ja estava doente, voltamos la num outro periodo do ano.Ele ja nao caminhava bem e entao ficamos recordando aquele famoso dia que haviamos escalado aquela enorme montanha.So restou recordaçao....saudades....

Hoje em dia quando olho o album de fotografias e vejo as fotos, ano por ano,fico admirada de tudo aquilo que fizemos e recordo cada momento que junto passamos.Foi tudo maravilhoso, sei que teve também momentos dificeis mas o tempo se encarrega de passar massa corrida em tudo, tapando os buracos, restando apenas a pintura maravilhosa de rosa e azul.Tudo valeu a pena.

Tivemos “ Festa de Natal” de todo o tipo, nao nos faltou nada.Em 2003 passamos esse lindo dia no hospital.

Mas ainda guardo na minha caixa de recordaçoes o ultimo natal,de 2004, que passamos em companhia do Fred.Ele estava em cadeiras de rodas e ja nao se alimentava bem.Era o dia 19 de dezembro e a impressao que tinhamos era que a situaçao estava fugindo do nosso controle.Entao, decidimos antecipar o Natal.Meu cunhado, que é sacerdote veio celebrar a missa aqui em casa.Para essa ocasiao, me preparei durante todo o mes.Preparei salgadinhos tipicos brasileiros e fui congelando tudo.O Fred preparou os convites no computador e enviamos para nossos amigos e vizinhos que como Cirineu, haviam nos acompanhado e ajudado muito no nosso calvario.Tirei os moveis das duas salas que sao divididas apenas por uma arcada e se tornou uma pequena capela, onde colocamos cadeiras e decoramos tudo com enfeites natalinos.Ficou mesmo um primor.Meu vizinho trouxe o violao, todos vieram e foi uma missa maravilhosa, onde cantamos os hinos de natal.Durante essa missa o Fred tomou a palavra e agradeceu a Deus por tudo e agradeceu aos amigos, companheiros de viagem.Os presentes eram todos emocionados, mas todos se controlaram, procurando aceitar a situaçao como se apresentava.Apos a missa todos puderam saborear os salgadinhos brasileiros e gostaram muito.O Fred ainda teve oportunidade de conversar com todos até o momento que vencido pelas dores pediu licença e se retirou pra deitar um pouco. Os convidados, entao, percebendo a dor dele, também foram se despedindo deixando conosco o carinho da presença e levando com eles um exemplo de vida, que todos eles admiravam e agradeciam.E assim, aquela foi a ultima missa porque dias apos ele entrou no hospital e de la partiu para outra viagem, mas desta vez foi sozinho, levando apenas sua bagagem interior.

Cada vez que me aproximo do presépio e olho o Menino Jesus eu fico imaginando que o Fred esta melhor do que nos porque ja teve a feliciade de conhece-Lo e estar perto Dele.

E “ Viva a Vida”, e “Viva nossas recordaçoes”, que embora nos aperte o coraçao, resta sempre nossos “Momentos Felizes, inesqueciveis.”





Terezinha de Jesus Tagliaferro


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 27 de Março de 2017
Domingo, 26 de Março de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)