Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

10/06/2012 15:45

Artigo: Minha Utopia

Dante Filho*

Termino de ler \"A soma e o Resto – um olhar sobre a vida aos 80 anos\", de Fernando Henrique Cardoso, e uma frase não me sai da cabeça: \"sem utopias é difícil sobreviver; a história é feita de utopias\". Fiquei pensando nisso e descobri que minha vida é um constante embate entre o que penso, o que sou (diante de minhas próprias circunstâncias) e como me relaciono com o material fantasioso que a minha cabeça produz a cada instante.

Tenho minhas utopias. Assim que terminei de ler FHC me veio de repente o seguinte pensamento utópico: fiquei imaginando que \"A Soma e o Resto\" caiu nas mãos de Lula. Por incrível que pareça, o gogó de São Bernardo decidiu dar uma folheada aleatória e desinteressada na obra. Em pouco tempo ele lia o livreto com atenção. Melhor: devorava-o. Depois de terminar, decidiu reler alguns trechos. Depois parou e pensou.

Mandou chamar o Luiz Dulci e pediu para ele convidar FHC para um dedinho de prosa. Dois dias depois, os dois ex-presidentes se encontravam. Conversaram bastante. Superaram mágoas passadas. Puseram os pingos nos is e decidiram que a partir daquela conversa promoveriam outras mais densas nos próximos dias.

E assim aconteceu. Ao passo de algum tempo ambos estavam convencidos que era a hora de unir o PT e o PSDB. Discutiram uma estratégia de médio prazo e concluíram que valia a pena tentar. Para Lula era fácil. Bastava ele mandar que o partido obedecia. Não havia óbice. José Dirceu estava para ser preso por causa do mensalão. Tarso Genro era um conciliador nato. Dilma a-do-ra-va FHC. Os radicais se contentariam com a manutenção das boquinhas nas estatais. Ou seja: mamão com açúcar.

Pelo lado de FHC a coisa era mais complicada. Ele ia precisar de todo seu charme e reunir forças intelectuais para superar os obstáculos previstos. Ele teria que vencer a teimosia de Serra. Teria que contornar a figura sinuosa de Aécio Neves. Teria que buscar entendimentos nas alas mais conservadoras e anti-PT do tucanato para convencer de que era essa a melhor saída política diante do crescente imblogio político que o País poderia viver em futuro próximo.

Pior ainda: ele teria que combinar com Lula um discurso bem afinado. Assim que circulasse a proposta de união entre PT e PSDB, os outros partidos, capitaneados pelo PMDB, reagiriam formando uma rede de intrigas com colaboracionismo de parte da mídia para melar o jogo.

O mais complicado seria definir como seria o jogo sucessório de 2014. PT e PSDB aceitariam convergir para a candidatura de Dilma com um vice tucano? Como seria depois? Reviveriam na forma (e não no conteúdo) a nova versão da política do café com leite da República Velha, só que num sistema sucessivo de presidentes ora de um partido ora de outro, ao longo do tempo?

Lula e FHC acreditavam que tudo era possível, pois lembravam: \"a história é feita de utopias\". Ambos estavam convencidos de que a coligação capitaneada pelos dois partidos poderia queimar etapas e fazer em uma década o que levaria 50 anos caso permanecesse aquela disputa infantil entre duas maiores agremiações adeptas da socialdemocracia.

Tanto Lula como FHC sabiam que tinham que superar a si mesmos neste processo: abrir mão de vaidades, veleidades e de algumas verdades arraigadas pela experiência pessoal de cada um. Além disso, teriam que transpor esse processo de construção de tolerância política para a sociedade, sem perder a perspectiva de aprofundamento da democracia, da liberdade, do igualitarismo, e da lógica da economia de mercado. Não seria fácil. Se fosse, não seria uma utopia.

Mas enquanto eu estava envolto por esses pensamentos turvos, vejo o noticiário sobre a CPMI do Cachoeira (e seus personagens principais se esbofando para explicar o inexplicável); acompanho, em seguida, as imprecações de Lula na defesa de seu candidato Fernando Haddad, em São Paulo; leio que FHC está fazendo um circuito de palestras no exterior; vislumbro os desdobramentos do julgamento do mensalão; e, assim,termino o dia lendo uma extensa reportagem na revista Piauí sobre as andanças de Delúbio Soares pelo Brasil fazendo pregação e ameaças contra aquilo que ele considera \"justiçamento\" da imprensa e mídia burguesas contra seu santo nome. Ele jura que é inocente.

Percebo de imediato que no campo político ter utopia está muito difícil. É mais fácil viver em delírio, observando passarinhos da minha janela.

*jornalista ( dantefilho@folha.com.br)

O Cassilândianews não se responsabiliza por artigos ou opiniões com autoria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)