Cassilândia, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018

Últimas Notícias

03/11/2010 09:15

Artigo: Homem ou mulher, o que importa?

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves *

A eleição da primeira mulher para o governo do nosso país, gera uma reflexão que muito antes já tive o ímpeto de fazer, quando Golda Meyr assumiu o governo em Israel, Margaret Thatcher, no Reino Unido, Michele Bachelet foi eleita no Chile e Cristina Kirchner na Argentina. Isso para não reconhecer que a idéia já era arraigada muito antes, talvez desde Evita Perón, na Argentina dos anos 50. A “luta” entre os gêneros nunca pareceu razoável. Homem e mulher têm suas diferenças físiológicas, mas um não se deve subordinar ao outro, pois são complementares. O machismo e o feminismo são verdadeiras idiotices. Seria abominável uma sociedade de “machos” ou de “fêmeas”. O “bão” é metade de cada um, como diz o “mineirin” da piada que conhecemos desde os tempos de criança.

A exemplo de todo o mundo desenvolvido, a mulher brasileira ganhou o seu espaço e hoje, apesar de ainda enfrentar problemas, como o salário menor em relação ao homem, constitui importante força de trabalho e desenvolvimento que jamais poderá ser desprezada sem que isso representasse um grande prejuízo à economia nacional. Nas últimas décadas, a mulher galgou posições e assumiu responsabilidades antes reservadas exclusivamente ao homem. E o fez com competência e determinação. Tanto que conquistou o mercado e nele se consolida cada dia mais fortemente.

Dilma Rousseff, presidente, é só a continuidade de Carlota Pereira de Queiroz, Bertha Lutz e Almerinda Farias Gama, as três mulheres que, nos anos 30 do século passado, assumiram como deputadas eleitas nas primeiras eleições em que se admitiu o voto e a candidatura feminina. O voto feminino era tentado desde 1890 – um ano depois da proclamação da República – mas foi obstado até 1932, quando o presidente Getúlio Vargas o instituiu através de decreto.

O Brasil não foi diferente do restante do mundo em relação à discriminação das mulheres. O primeiro país a instituir o voto feminino foi a Nova Zelândia, em 1893. Se tivesse aprovado o projeto do deputado baiano César Zama, em 1890, o Brasil poderia ter sido o primeiro. A seguir vieram Austrália (1902), Finlândia (1906), Inglaterra (1918) e Estados Unidos (1916). Na América Latina, o primeiro foi o Equador, em 1929. Mesmo tendo aberto o colégio eleitoral às mulheres antes do Brasil, os EUA, tidos como a maior democracia do mundo, ainda não tiveram a primeira mulher e nem o primeiro trabalhador como chefe de Estado. Mas já teve (e ainda tem) o primeiro negro.

Dilma chega para quebrar vários paradigmas. É a primeira mulher presidente e, também, a primeira ex-perseguida política a chegar ao poder. Prova de oxigenação e pleno exercício democrático. Mas, além disso, vem para cristalizar a posição feminina na sociedade. Desmistificar a “guerra de gêneros” e demonstrar que, desde que o mundo é mundo, homem e mulher são complementares. Todas as vezes que tentarem atuar isoladamente, estarão fadados ao insucesso...

Vamos, pois, homens e mulheres, ajudar a construir o Brasil Grande, independentemente de se governado por homem ou mulher. Isso é apenas detalhe...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves *– dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br



Dados do Autor:

Dirceu Cardoso Gonçalves – tenente-PM

RG nº 5301.573-SP

aspomilpm@terra.com.br



O Cassilandianews não se responsabiliza por artigos ou opiniões com autoria



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Terça, 22 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Segunda, 21 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)