Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/11/2010 09:15

Artigo: Homem ou mulher, o que importa?

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves *

A eleição da primeira mulher para o governo do nosso país, gera uma reflexão que muito antes já tive o ímpeto de fazer, quando Golda Meyr assumiu o governo em Israel, Margaret Thatcher, no Reino Unido, Michele Bachelet foi eleita no Chile e Cristina Kirchner na Argentina. Isso para não reconhecer que a idéia já era arraigada muito antes, talvez desde Evita Perón, na Argentina dos anos 50. A “luta” entre os gêneros nunca pareceu razoável. Homem e mulher têm suas diferenças físiológicas, mas um não se deve subordinar ao outro, pois são complementares. O machismo e o feminismo são verdadeiras idiotices. Seria abominável uma sociedade de “machos” ou de “fêmeas”. O “bão” é metade de cada um, como diz o “mineirin” da piada que conhecemos desde os tempos de criança.

A exemplo de todo o mundo desenvolvido, a mulher brasileira ganhou o seu espaço e hoje, apesar de ainda enfrentar problemas, como o salário menor em relação ao homem, constitui importante força de trabalho e desenvolvimento que jamais poderá ser desprezada sem que isso representasse um grande prejuízo à economia nacional. Nas últimas décadas, a mulher galgou posições e assumiu responsabilidades antes reservadas exclusivamente ao homem. E o fez com competência e determinação. Tanto que conquistou o mercado e nele se consolida cada dia mais fortemente.

Dilma Rousseff, presidente, é só a continuidade de Carlota Pereira de Queiroz, Bertha Lutz e Almerinda Farias Gama, as três mulheres que, nos anos 30 do século passado, assumiram como deputadas eleitas nas primeiras eleições em que se admitiu o voto e a candidatura feminina. O voto feminino era tentado desde 1890 – um ano depois da proclamação da República – mas foi obstado até 1932, quando o presidente Getúlio Vargas o instituiu através de decreto.

O Brasil não foi diferente do restante do mundo em relação à discriminação das mulheres. O primeiro país a instituir o voto feminino foi a Nova Zelândia, em 1893. Se tivesse aprovado o projeto do deputado baiano César Zama, em 1890, o Brasil poderia ter sido o primeiro. A seguir vieram Austrália (1902), Finlândia (1906), Inglaterra (1918) e Estados Unidos (1916). Na América Latina, o primeiro foi o Equador, em 1929. Mesmo tendo aberto o colégio eleitoral às mulheres antes do Brasil, os EUA, tidos como a maior democracia do mundo, ainda não tiveram a primeira mulher e nem o primeiro trabalhador como chefe de Estado. Mas já teve (e ainda tem) o primeiro negro.

Dilma chega para quebrar vários paradigmas. É a primeira mulher presidente e, também, a primeira ex-perseguida política a chegar ao poder. Prova de oxigenação e pleno exercício democrático. Mas, além disso, vem para cristalizar a posição feminina na sociedade. Desmistificar a “guerra de gêneros” e demonstrar que, desde que o mundo é mundo, homem e mulher são complementares. Todas as vezes que tentarem atuar isoladamente, estarão fadados ao insucesso...

Vamos, pois, homens e mulheres, ajudar a construir o Brasil Grande, independentemente de se governado por homem ou mulher. Isso é apenas detalhe...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves *– dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br



Dados do Autor:

Dirceu Cardoso Gonçalves – tenente-PM

RG nº 5301.573-SP

aspomilpm@terra.com.br



O Cassilandianews não se responsabiliza por artigos ou opiniões com autoria



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)