Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

20/10/2006 06:51

Artigo - Conversa para boi dormir

*Luiz Eduardo Cheida

O som é medido em decibéis. Uma conversa normal tem 60 decibéis. Como o decibel é função logarítmica, a cada 10 decibéis, dobra-se o volume do som.

Por isso, 90 decibéis (a média sonora das médias cidades brasileiras) é o triplo do volume de um saudável bate-papo.

Os veículos são a principal fonte de poluição sonora: roncos de motores escapamentos, buzinas, frenagens, sirenes...

Os altos prédios enfileirados de uma cidade mal-planejada funcionam como verdadeiros amplificadores. Até perder-se no espaço, um simples toque de buzina bate e reverbera, alternadamente e por diversas vezes, nas fachadas dos edifícios. Assim, na cidade, um som multiplica-se em dezenas de sons iguais.

Mal-planejadas, as ruas tornam-se pequenas para o número de veículos que aumenta a cada dia. Veículos de mais, velocidade de menos. As marchas mais pesadas são mais ruidosas. No trânsito vagaroso, os carros freiam mais, arrancam mais, buzinam mais. Os prédios reverberam e o ruído cresce.

Serras elétricas em construções civis, sons de bares e lanchonetes, apitos do guarda, aviões, cinemas, discotecas, vendedores ambulantes, cães que ladram sem cessar e outras fontes, completam um quadro de grande preocupação.

Quais as conseqüências?

Ruído em excesso deixa a pessoa, progressivamente, surda. Reduzindo-se a audição, perdem-se inúmeras sensações prazerosas que vão do canto de um pássaro a uma música agradável. Pior: a surdez é irreversível. Não possui tratamento ou cura. Progressivamente surdas, as pessoas tendem a isolar-se, tornando-se mais solitárias, tristes e arredias a novas amizades.

O ruído é também grande fator de ansiedade. Ele aumenta a freqüência cardíaca, a irritabilidade, os distúrbios do sono, o colesterol e a pressão sangüínea.

O estresse provoca acúmulo de gordura no organismo e conhecidas conseqüências. O mesmo ruído que faz dormir mal, reduz a freqüência sexual e a atenção no trabalho, causa acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.

Ambiente barulhento é convite à neuroses. Neuróticos são imprevisíveis: às vezes, agressivos; outras vezes, covardes; medrosos; falsamente felizes ou falsamente corajosos; deprimidos; eufóricos...

Uma pessoa assim influencia, negativamente, outras pessoas.

Uma jovem árvore quebrada, uma escola depredada, pessoas que buzinam em frente a hospitais ou gritam na madrugada, são atitudes de quem agride por sentir-se agredido.Um ambiente calmo e sossegado é sempre menos sujeito a agressões.

Que fazer para melhorar?

Reduzir o barulho é mais um ato cultural que um ato de punição.

As leis devem ser claras, conhecidas e aplicadas. Entretanto, só um contínuo processo de educação resultará em uma cidade com menos ruídos.

Não produza ruídos. Dê o primeiro exemplo;
Nunca se acostume com os ruídos produzido pelos outros;
Não sofra em silêncio: com educação, peça para abaixarem o som;
Nunca freqüente restaurantes com TV, música ambiente ou demais ruídos que o impeça de conversar em tom natural;
Certifique-se do nível de ruído de um eletrodoméstico, carro, moto ou qualquer máquina, antes de adquiri-los;
Plante árvores e arbustos ao redor de casa. Eles abafam os ruídos;
Suspeitando que os ruídos estão acima do recomendável, solicite sua medição aos órgãos competentes;
O volume dos sons permitidos constam do Código de Posturas (lei municipal). Não cumpri-lo, dá multa e até cassação de alvará de funcionamento.

Aqui, mais do que nunca, cada um deve fazer a sua parte.

O grita-quem-pode-obedece-quem-tem-juízo das cidades brasileiras não deve continuar. Quem acha isso certo está com conversa pra boi dormir.

Em verdade,quanto mais tranqüilas as pessoas, mais estável a natureza.

Afinal, nós humanos, somos natureza também.

Um forte abraço e até sexta que vem.


*Luiz Eduardo Cheida é médico e deputado estadual eleito. Foi Prefeito de Londrina (1992 – 1996), Secretário de Meio Ambiente do Paraná e Membro titular do CONAMA (2003 – 2006).



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)