Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

09/02/2005 16:01

Artigo: Conheça um pouco mais a língua portuguesa

Alcides Silva

Língua portuguesa, inculta e bela

Concordância ideológica II
Falei na semana passada que na construção das frases, uma palavra nem sempre concorda com aquela que deveria fazê-lo gramaticalmente, mas com a idéia ou sentido que o termo traduz. Quando isso ocorre, dá-se uma figura de sintaxe – construção gramatical em que a rigidez do raciocínio lógico (concordância lógico-formal) é substituída (ou atenuada) pela intervenção do fator psicológico. Exemplifiquei com os dizeres de uma antiga propaganda ouvida nas rádios de minha infância: “Um milhão de lavadeiras afirmam que o sabão Minerva é o que lava mais”, dizendo que esse “um milhão afirmam” é uma silepse de número (a concordância se faz segundo o sentido e não com a forma gramatical), porque a palavra milhão tem implícita uma idéia de quantidade plúrima: mil milhares.
Etimologicamente, o termo silepse (do grego, ação de tomar juntamente) deveria referir-se exclusivamente à concordância de número, porém, com o tempo passou a ser aplicado também nas concordâncias figuradas de gênero e de pessoa.
Comentada na semana passada a concordância de número, resta-nos, agora, dizer das
Silepse de gênero:
“Chapadão do Sul (nome masculino) é acolhedora” (adjetivo feminino);
“Vossa Senhoria (forma gramatical feminina) é bondoso (predicativo masculino)”; “Ele é um criança”.
Silepse de pessoa:
Três são as pessoas verbais: 1ª pessoa, a que fala – e corresponde aos pronomes pessoais eu e nós; 2ª pessoa – com quem se fala – tu e vós; 3ª pessoa – de quem se fala – ele, ela e eles, elas.
“Os brasileiros somos sentimentais”;
“Os dois íamos cantando estrada afora” (a pessoa que fala ou escreve se inclui sujeito enunciado por outra pessoa verbal).
“Os dois ora estais amando, ou brigando” (a pessoa com quem se fala atrai o verbo).
No falar do dia-a-dia, tanto no Brasil como em Portugal, a palavra gente costuma levar o verbo para a 1ª pessoa do plural.
Na canção “Inútil”, da banda ‘Ultraje a Rigor’, há um verso que animava os comícios pela redemocratização do País, no “ Diretas, já”, dos anos 84/85:
“A gente não sabemos escolher presidente”.
De “O Trigo e o Joio”, publicado em 1954, romance de Fernando Namora, excelente escritor do neo-realismo português, foi extraído o seguinte exemplo:
“A gente precisa de mostrar às raparigas que não somos nenhuns miseráveis”.

E dando os trâmites por findos, como diria Vinícius, uma observação, quase advertência: só há silepse quando houver elegância e boa sonoridade na frase; do contrário, é solecismo, é erro, como em “Um grupo de estudantes fizeram a festa”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)