Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/05/2011 10:55

Artigo: A roda dos excluídos

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A onda de mães que, no último mês, descartou seus filhos recém-nascidos é o demonstrativo de uma tragédia social. Ao lado dessas quatro ou cinco crianças que tiveram a sorte de ser localizadas em tempo e salvas, podem existir muitas outras que pereceram e dificilmente entrarão para o noticiário ou para a estatística. Precisamos trabalhar com todo rigor e pressa para evitar a continuação desses crimes contra a infância e o futuro do país.

Por mais justificativas que apresente, a mãe jamais conseguirá convencer alguém de que agiu certo ao abandonar o próprio filho na lixeira, na rua, no quintal do vizinho ou no banheiro do hospital. Isso é crime dos mais perversos, praticado por quem, até por razões biológicas, deveria ser o maior protetor daquele novo ser. Principalmente quando é sabido que mães impossibilitadas de criar seus filhos têm a alternativa legal de entregá-los, em segurança, para a adoção.

O abandono de recém-nascidos é tema antigo. Nas sociedades conservadoras do passado, as mães solteiras não tinham o que fazer com os filhos e os deixavam nos portões de casas cujas famílias pudessem criá-los, mas muitos pereciam pelo frio, ataque de insetos ou de cães. Na Idade Média, foi criado, em Marselha, o sistema da “roda dos excluídos”, que se alastrou por toda a Europa, inclusive Portugal e chegou ao Brasil em 1738. A ‘roda” funcionou em vários endereços do Rio de Janeiro, até 1948 e teve versões parecidas em São Paulo, outras capitais e cidades do interior brasileiro. A mãe do indesejado chegava, o colocava numa abertura do prédio – normalmente uma roda horizontal que, movimentada, o levava para dentro -, tocava uma sineta e ia embora, livrando-se do problema.

A roda dos excluídos – a antiga e a atual, representada pelos conselhos tutelares e juizados – é apenas um paliativo pois, mesmo depois de salva do abandono, a criança continua enfrentando problemas nas filas de adoção. O ideal seria resolver a questão na origem, através da educação e da prática da paternidade (e maternidade) responsáveis. Primeiro, a criança, que será o futuro adulto, deve receber, assim que possível, as informações sobre reprodução, sociedade e responsabilidades. Jamais devem lhes ser sonegadas orientações sobre controle da natalidade, contracepção e outros temas ainda tabu na nossa sociedade. Conhecendo e tendo acesso, o jovem ou o adulto terá melhores condições de evitar a gravidez indesejada. E, em paralelo, há que se cobrar os rigores da lei daqueles que, mesmo sabendo, ainda geram filhos.

A história mostra que, por razões sociais e econômicas, o descarte de recém-nascidos ocorre há séculos. A solução é difícil, mas não podemos nos conformar só com o paliativo do encaminhamento da criança. Temos evitar, de todas as formas, os nascimentos indesejáveis. Isso seria o mais eficiente instrumento para acabar ou, pelo menos, reduzir o hediondo descarte.



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br


O Cassilandianews não se responsabiliza por artigos ou opiniões com autoria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)