Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/03/2011 08:36

Artigo: A malfazeja reeleição

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A malfazeja reeleição



Recém saídos das eleições, onde foram escolhidos presidente da República, governadores, senadores e deputados, já podemos observar prefeitos direcionando suas atividades para as eleições do próximo ano, quando muitos deles serão candidatos à reeleição. Absurdamente, já se discute o futuro eleitoral dos governadores e da presidente Dilma Rousseff, empossados no dia 1° de janeiro último. Impatrioticamente, prefeitos colocam a máquina pública de seus municípios para fazer asfalto e produzir obras de fachada que possam ser inauguradas até outubro do próximo ano e, assim, saciar seus apetites eleitorais. Com isso, os importantes empreendimentos de longo prazo e de infraestrutura, especialmente os que ficam enterrados, são esquecidos e a população continua sofrendo com a saúde pública sucateada, congestionamentos de trânsito, enchentes, desmoronamentos e outros males decorrentes da desumana opção administrativa imediatista e eleitoreira.

São Paulo, a maior cidade do país dá exemplo claro da necessidade de obras públicas que extrapolam o limite temporal de um governo. Não fossem avenidas marginais e empreendimentos básicos projetados e iniciados nos anos 50, 60 e 70, pelos então prefeitos Jânio Quadros, Prestes Maia, Faria Lima, Figueiredo Ferraz e outros, a cidade seria hoje completamente impraticável. Existem, Brasil afora, centenas de outros bons exemplo mas, infelizmente, depois de instituída a reeleição para o cargo executivo, em vez de se preocuparem em fazer seus nomes passar para a história, os administradores públicos estão mais preocupados em passar pela próxima eleição. E isso enfraquece e debilita seus governos.

A reeleição no Executivo brasileiro foi criada apenas para beneficiar um homem. Já beneficiou dois no mesmo cargo e dezenas de outros em esferas inferiores, e demonstra que em nada favorece o interesse público. Melhor seria que o político que tivesse acesso a um cargo executivo, soubesse preliminarmente que o exerceria apenas por um período, sem a possibilidade de reeleição mesmo que em períodos intercalados. Assim, haveria a salutar alternância no poder e a oportunidade para que todos os capacitados dessem sua contribuição à causa pública. Um político poderia fazer carreira sendo vereador, prefeito, deputado estadual, governador, deputado federal, senador e presidente da República, mas não poderia repetir o mesmo cargo executivo. Para maior fluidez, também poderia se estabelecer apenas uma reeleição para o mesmo posto no Legislativo. Essa limitação garantiria a entrada de “sangue novo” para a política e nos livraria das carcomidas oligarquias de neocoronéis e de detentores de “esquemas” que tanto infelicitam e maculam o meio.

Muito se tem falado sobre a necessidade de uma reforma política. A sociedade tem de se manter atenta porque só com a sua pressão é que poderão ocorrer avanços. Só o rolo-compressor social será capaz de obrigar deputados e senadores – que têm a obrigação de votar a reforma – a cortar da própria carne e acabar de uma vez com a maldita reeleição. Isso já ocorreu no episódio da Ficha Limpa. Portanto, não é impossível...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br


O Cassilandianews não se responsabiliza por artigos ou opiniões com autoria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)